“Eu sou um péssimo ator. Não sou só o pior ator vivo, eu sou o pior ator vivo e morto.”- Ariano Suassuna, o magistral escritor e poeta brasileiro, falecido nesta quarta-feira (23)

24jul

bandeira1
Candidato do PTC, Tulio Bandeira, é o primeiro entrevistado da da Banda B – Foto: Geovane barreiro

O candidato ao governo pelo PTC, Tulio Bandeira, foi o primeiro entrevistado da Rádio e do Portal Banda B nesta segunda-feira (21), dentro da série de entrevistas ao vivo com candidatos ao governo do Paraná. Todos irão participar até o dia 30 de julho e terão meia hora, entre 7h30 e 8 horas. Advogado renomado, dono de rádio em Foz do Iguaçu, Bandeira garante que não tem vínculos com nenhum outro candidato ou partido e que quer ser governador do Paraná para “dar voz aos desassistidos”. Mais 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

Nesta quarta-feira (23) o Gaeco recebeu denúncia de jogatina em uma residência de Foz. De pronto policiais foram acionados para checar e ao chegarem ao local depararam-se com várias pessoas e indícios de jogatina. Imaginem quem estava no local? Bingo! Dobrandino Gustavo da Silva. Nosso querido Tio Dobra, que, naturalmente, não estava jogando, presume-se que estivesse discutindo literatura inglesa com o seleto grupo presente… (consta que tinha até policial na quebrada).

Somente o dono do imóvel foi detido para prestar esclarecimentos em cartório.

Pitaco: quem diria que algum dia isso fosse acontecer na terrinha abençoada?
Há décadas pessoas que se imaginam influentes frequentam tunguetes e nunca foram incomodados (tem até um vereador habitué). Com essas rebordosa de hoje a tendência é dar um final nesta atividade, que, registre-se, não é tratada como crime, mas como contravenção penal.
Termo circunstanciado, sem falar no vexame de virar notícia. Convenhamos, Foz do Iguaçu está mudando…

Pitaco II: Demorô!

 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

O TCU (Tribunal de Contas da União) condenou nesta quarta-feira (23) 11 diretores da Petrobras a devolver US$ 792 milhões (R$ 1,6 bilhão) por prejuízos causados na aquisição da Refinaria de Pasadena, pela Petrobras, bloqueando os bens deles por um ano. A indisponibilidade dos bens vale a partir da publicação da decisão no Diário Oficial, o que deve ocorrer na semana que vem.

Um dos ministro do TCU, Benjamin Zymler, chegou a pedir vista do processo após a leitura do relatório do ministro José Jorge, responsável pelo processo. Mas quatro ministros, Marcos Bemquerer, Ana Arraes, Weder Oliveira e André Luiz de Carvalho, votaram a favor do relatório de José Jorge sem mesmo considerar possíveis opiniões divergentes que Zymler poderia ter. Constrangido, Zymler acabou retirando seu pedido de vista, que pararia o processo.

Zymler alegou que precisaria de mais tempo para avaliar os custos de compra da refinaria. Ele afirmou que os valores propostos pelo relator para o débito podem estar baseados em cálculos “simplistas”. Mas os outros ministros afirmaram que possíveis diferenças de preços podem ser resolvidas no processo que será iniciado agora para realizar a cobrança do prejuízo apurado.

Divulgação/Clui.org
Vista aérea da Refinaria de Pasadena, no canal de Houston, no Texas
Vista aérea da Refinaria de Pasadena, no canal de Houston, no TexasFonte
FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-gleisi-cota


As analogias da política ligam Jaime Lerner a Gleisi Hoffmann (PT). Para garantir sua reeleição, Lerner reduziu pela metade os pedágios por um ano. Gleisi tenta o mesmo com a cota de compras na fronteira – que atende as cidades do Oeste, Sudoeste e Noroeste do Paraná. O Ministério da Fazenda, atendeu a indústria paulista, reduziu a cota de US$ 300 para US$ 150 e atingiu em cheio a candidatura petista. Gleisi esbravejou e cota voltou aos US$ 300, mas por pouco tempo.
” Mais

 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

unnamed69-470x313

O Ministério Público do Paraná publicou na edição desta segunda-feira (21) do Diário Oficial do Estado o comunicado de abertura de inquérito para apurar o uso de dinheiro público no trato de 88 cavalos do senador Roberto Requião (PMDB) durante o período em que ele governou o Paraná, entre 2003 e 2010. O processo foi instaurado no dia 15 de julho, de acordo com a publicação. A responsável pela acusação é a promotora de Justiça Claudia Cristina Rodrigues Martins Madalozo.

Segundo a denúncia que veio a público em junho deste ano, a partir de um pedido de informação protocolado em abril pelo-ex-deputado José Domingos Scarpellini (PSB), de 88 cavalos do ex-governador teriam ficado alojados nas baias da Polícia Militar ao longo dos oito anos de governo. Na sua declaração de bens, entregue na Justiça Eleitoral, não consta qualquer animal na lista de bens do senador.

A Polícia Militar do Paraná também investiga a utilização de policiais militares, estrutura e recursos do regimento de polícia montada para tratar os cavalos de Requião. Os custos podem ultrapassar a R$ 5 milhões. Os cavalos viviam uma rotina semelhante à dos animais pertencentes à Polícia Militar. Os animais eram abrigados no regimento; no Parque da Ciência, em Pinhais (ao lado da Granja do Canguiri, imóvel do governo utilizado como residência oficial por Requião); no Haras Palmital, também em Pinhais; e no Haras Barigui, em Almirante Tamandaré.

Da manada de Requião, se destacam os potros Proletário, JG, 110, Sapateiro e as éguas Bolivariana e Benedita.
“Informo que nesta data o equino Kielse, pertencente ao governador e que estava em tratamento médico no centro veterinário teve alta, e foi transportado novamente ao Haras Barigui em Almirante Tamandaré”, informa uma circular da PM de 25 de janeiro de 2010.

Além do cavalo Kielse, Requião batizou Sapateiro e Benedita em homenagem a assessores próximos.“In­formo que nesta data deu entrada do Canguiri nesta OPM dois pôneis prenhas do governador, que foram estabulados nas baias 311 alexander a baia da PUC ao lado da ferraria”, diz uma circular do regimento, do dia 30 de dezembro de 2008.

R$ 5 milhões - “Os preferidos, os que iam ser utilizados pelo governador na semana, ficavam nas baias improvisadas no Parque da Ciência. Os outros ficavam no regimento ou iam para os haras quando estavam doentes ou esgotados”, diz um oficial da polícia montada.

Os documentos do regimento comprovam a movimentação dos animais. Segundo outro oficial ouvido pelo jornal “Gazeta do Povo”, também lotado no regimento à época, a justificativa dada para o abrigamento dos cavalos era de que, ao final do mandato, eles seriam doados para a cavalaria da PM, o que não ocorreu. “No final do mandato dele, dos 88 animais, 29 foram doados para a corporação. Os outros 59 foram levados para um haras particular em Campo Largo. Todo o transporte foi feito por policias militares com equipamento da

O jornal teve acesso a arquivos do regimento de polícia montada.Segundo um dos policiais, ao longo de oito anos a PM cuidou de 88 cavalos de Requião ou de pessoas próximas a ele. “Os cavalos foram chegando e de repente eram dezenas. A determinação dos oficiais é de que fossem tratados e cuidados por nós porque eram do governador”, diz um oficial.

A PM estima que o gasto mensal para cuidar de cada animal gire em torno de R$ 1.000 a R$ 1.500 mensais. Cálculos não oficiais de policiais que trabalhavam no regimento indicam que até R$ 5 milhões podem ter sido gastos no trato com os animais da cota de Requião.

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-miriam-leitão
Miriam Leitão

Não tem como escapar. A garantia que os bancos receberam para emprestar – primeiro os R$ 11,2 bilhões em abril e agora mais R$ 6,5 bilhões – às distribuidoras de energia foi o aumento da tarifa de energia elétrica. Está no contrato, e a conta vai sendo paga pelo consumidor.

Essa é apenas a parte mais visível da confusão, porque as distribuidoras não estão sozinhas. Há problemas também com as geradoras, que produzem a energia.

Cerca de 70% da eletricidade do país é produzida no Sudeste, onde os reservatórios apresentam um nível de apenas 34%. Isso força a utilização das térmicas a pleno vapor. Para os períodos em que ficam paradas para revisões técnicas, elas são obrigadas a comprar energia no mercado à vista, aumentando o custo da operação de gerar energia.

Que venha a chuva. Mas ela sozinha não será suficiente para segurar o aumento da tarifa de energia elétrica. Atualmente, o desafio energético do Brasil vai além do problema hidrológico, foram erros na condução da política de energia que nos colocaram nessa situação. Preparem o bolso porque a conta está chegando.

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

Ariano Suassuna, aos 85 anos, no Sesc Pinheiros, em São Paulo, em 2012

O escritor e dramaturgo Ariano Suassuna morreu na tarde desta quarta-feira (23), às 17h15, no Recife, aos 87 anos, de uma parada cardíaca provocada pela hipertensão intracraniana, após sofrer um AVC hemorrágico na segunda-feira (21).

Ele foi internado no Real Hospital Português às 20h de segunda e foi submetido a uma cirurgia neurológica de emergência.

Autor do “Romance d’A Pedra do Reino” e de clássicos do teatro nacional como “O Auto da Compadecida” e “O Santo e a Porca” e imortal da ABL (Academia Brasileira de Letras), ele também sofria de diabetes. Mais 

Pitaco: Para mim o livro mais brilhante do falecido chama-se “Romance d’A Pedra do Reino”
NA KUNDA TEM,  mas ninguém vai ler, vão mesmo é dar receita de bolo no face…

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-dilma-energiaA Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), órgão do governo federal, anunciou hoje uma catracada na população de Campo Largo e Guarapuava. A conta de luz vai ter aumento absurdo nas duas cidades. Em Guarapuava, a Aneel aumentou em 31,96% a tarifa da Companhia Força e Luz do Oeste, a CFLO, que atende a cidade. Em Campo Largo, o aumento determinado pelo governo federal é de 27,27% na tarifa da Companhia Campolarguense de Energia, a Cocel. O aumento se deve ao acionamento de usinas térmicas, pelo governo federal, que têm energia mais cara.
FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-alpíno

Natália Vilarouca

Há algum tempo um artigo petista movimentou as redes sociais. O vicepresidente do PT, Alberto Cantalice, deu nome às cabeças que lideram o que ele denominou de “pitbulls da grande mídia”. Tal arrolamento ficou conhecido como a “lista negra do PT”. Dentre os nomes citados lá estava os humoristas Danilo Gentilli e Marcelo Madureira. Artistas do riso estavam numa listagem em que outros nomes poderiam figurar. Entretanto, o autor preferiu colocá-los à frente de outros denominados “menos votados”.

Estranho? Não. Vejamos: Para demonstrar que tal fato não deve causar estranheza é necessário lançarmos mão da obra do italiano Umberto Eco, “O Nome da Rosa”. A obra supramencionada também foi retratada nos cinemas, num filme de 1986, dirigido Jean-Jacques Annaud. A história se passa num mosteiro em que várias mortes ocorrem de maneira inexplicável. Claro que no final o mistério é resolvido. Todas as mortes foram provocadas com um único intuito: preservar um livro cujo autor era nada mais, nada menos do que o filósofo grego Aristóteles.

Os ensinamentos aristotélicos eram subversivos demais para o velho monge que os mantinham em segredo. O livro continha a arte do humor. A curva do sorriso, segundo o monge guardião, era demoníaca porque estimulava a desobediência e o atrevimento. Isto não deveria ser tolerado numa instituição que não abria espaço para o questionamento e se baseia no medo e submissão.

De fato, o humor é uma arma de comunicação potente. Escarnecer, ironizar, diminuir atinge muito mais facilmente o receptor. A mensagem torna-se mais clara. E mais: a piada sempre carrega uma verdade ou um consenso. Em suma, o humor é uma forma de retratar a realidade. Nada irrita mais o governante tirânico do que um humorista.

A tirania ficou latente, embora velada no artigo petista. Velada, porque o mesmo argumento foi usado: o suposto ódio de uma elite contra os pobres. Latente, porque a permanência do PT há anos no governo e a ilegitimidade de qualquer um para questionar seus programas de inclusão social foram retratados pelo articulista como “normais” e deveriam ser aceitos sem qualquer questionamento.

Não é normal numa República, em que a ideia é a rotatividade do poder, uma mesma ideologia permanecer intacta por doze anos. Não é normal que programas de inclusão social gerem inflação corrosiva e seus resultados sejam mascarados por eufemismos ou palavras retóricas. Se a ala vermelha não sabe conviver com questionamentos, oposição e insatisfação, então, lidamos com verdadeiros ditadores. Se não apressarmos o passo talvez não nos reste nem o riso.

Natália Vilarouca é estudante de Direito

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-dias-toffoli-stf

O governo conseguiu autorização do TSE para veicular propagandas durante a campanha eleitoral relacionadas à prevenção de gripe e de combate ao HPV, à Central de Atendimento à Mulher, ao Dia do Soldado e à divulgação de concursos públicos para ingresso em estabelecimentos de ensino do Exército. As informações são do Valor Econômico.

A decisão é do ministro José Antonio Dias Toffoli, atual presidente do TSE, ex-ministro da Advocacia-Geral da União (AGU) no governo do ex-presidente Lula e ex-advogado do PT. As consultas foram apresentadas pela Secretaria de Comunicação Social e pelo Exército. Mais 

 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

MTZ

A empresa MTZ Belarus, da Bielo-Rússia, anunciou nesta quarta-feira (23) que construirá uma fábrica de tratores no Paraná. A instalação da unidade vai ser feita através do programa Paraná Competitivo, do governo estadual, que concede incentivos para investimentos industriais que geram empregos e renda. A previsão é começar a produção em 2016 com a produção de 10 mil tratores por ano. O projeto foi apresentado ao governador Beto Richa em reunião no Palácio Iguaçu.

Jaime Zorzeto, diretor presidente da empresa Disan-Diagro, uma das sócias na parceria da MTZ Belarus no Brasil,explica que o Paraná possui qualidades que atendem as necessidades da empresa. “O Paraná é um celeiro agrícola com capacidade de produção que cresce a cada ano. Aqui encontramos mão-de-obra qualificada, indústrias, infraestrutura e incentivos fiscais por parte do Governo”, comentou.

Ele também comentou as vantagens logísticas e de mão de obra. “O Estado também possui uma posição geográfica estratégica pela proximidade com países do Mercosul e pela fácil entrada para o Centro-Oeste do Brasil. Outro benefício é o Porto de Paranaguá com grande infraestrutura para atender a demanda de exportação”, completou Zorzeto. Os produtos da empresa são comercializados para 120 países do mundo.

O governador Beto Richa apresentou os pontos fortes da economia do Estado e destacou que o Paraná tem muito interesse pela instalação da nova indústria. “Uma grande empresa mundial que está entre as oito maiores fabricantes de tratores do mundo. Será muito bem-vinda no Paraná, que é o Estado que mais cresce no Brasil e que respeita a iniciativa privada”, afirmou Richa.

O governador afirmou ainda que o Estado vive um dos maiores ciclos industriais da história e está entre os dois grande crescimentos industriais do país. Em três anos e meio, atraimos mais de R$ 35 bilhões em investimentos de empresas nacionais e internacionais. O Estado foi o escolhido entre Goiás, Santa Catarina e Tocantins.

“O Paraná se tornou muito competitivo na atração de empresas, se consolidando como o grande pólo automotivo”, completou Richa. Ele citou a instalação de grandes empresas como Renault, Volvo, Wolksvagen – Audi, Paccar e Sumitomo, fabricante de pneus. A MTZ Belarus está no mercado desde 1949 e é uma das 8 maiores fábricas de tratores do mundo. Produz e vende de 55 a 60 mil unidades por ano com potência que vai até 350 cavalos. A empresa está com projeto para desenvolver neste ano tratores de 400 a 450 cavalos de potência.

Em 2013, segundo o Ministério do Trabalho, o Paraná fechou como o terceiro maior gerador de emprego com carteira assinada. De acordo com o IBGE, o Paraná fechou 2013 com 5% de crescimento do PIB, mais que o dobro do crescimento do Brasil, que foi de 2,3%. “Temos muito interesse no Paraná e vemos grandes perspectivas para o futuro da empresa”, afirmou Kazakevitch, chefe do Departamento de Promoção e Realização da Produção nos países não pertencentes à Comunidade dos Estados Independentes (CEI).

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-gleisi-haroldo-2Foram deferidos os 380 registros de candidatos julgados no Tribunal Regional Eleitoral nesta terça-feira (22). Os juízes têm até o dia 21 de agosto para julgar todos os 1191 registros e as defesas dos pedidos de impugnação dos candidatos. O registros começaram a ser julgados nesta terça-feira (22), junto com os pedidos de impugnação de registros dos candidatos das eleições deste ano.

Pelo menos 27 candidatos fazem parte da lista de pedidos de impugnação. Por enquanto, segundo o TRE, nenhuma candidatura foi cassada. São 14 ‘fichas suja’ e outros 13 candidatos que tiveram pedidos de impugnação por problemas em cumprimento de prazos e normas nas eleições deste ano no Paraná. Entre eles, está o pedido do candidato ao governo Ogier Buchi (PRP) contra a candidata Gleisi Hoffmann (PT) por descumprimento de prazo. A indicação do vice Haroldo Ferreira (PDT) na chapa petista foi feita após o encerramento das convenções. A defesa de Gleisi alega que as convenções dos partidos coligados ocorreram dentro do prazo, até 30 de junho, portanto não há irregularidade.

Todos os candidatos estão nomeados nas listas divulgadas pelo TRE e Ministério Público Federal, menos o “número 9” da lista de pedidos por enquadramento na “Lei da Ficha Limpa”, do Ministério Público Federal. Segundo a assessoria do TRE, o processo em que ele é citado corre em segredo de Justiça. Por eliminação, o nome poderá ser revelado até o dia 21 de agosto, caso o candidato oculto seja cassado.

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-ivo-pugnaloni

Em carta aberta á presidente Dilma Rousseff, o candidato à deputado federal pelo PT do Paraná, o empresário Ivo Pugnaloni, diz que o excesso de burocracia trava hoje a construção de 9,2 mil MW de projetos de pequenas hidrelétricas de baixo impacto ambiental. “Isso provocou R$ 53 bilhões de prejuízos. O que a presidente da República pode fazer para corrigir a situação?”, cobra Pugnaloni. Leia a seguir a carta na íntegra,

Carta aberta das PCHs à Presidente Dilma Rousseff.

EXCESSO DE BUROCRACIA TRAVA HOJE A CONSTRUÇÃO DE 9.200MW DE PROJETOS DE PEQUENAS HIDRELÉTRICAS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL. ISSO PROVOCOU 53 BILHÕES DE PREJUÍZOS. O QUE A PRESIDENTE DA REPÚBLICA PODE FAZER PARA CORRIGIR A SITUAÇÃO?

Ivo Pugnaloni

SENHORA PRESIDENTE DA REPÚBLICA:

Há alguns dias, em evento em Brasília, Vossa Excelência afirmou que “nenhum país do mundo chegou ao desenvolvimento sem romper com as amarras antigas da burocracia. No Brasil, o que aconteceu foi que aumentaram muito as estruturas de fiscalização e encurtaram muito as estruturas de realização do governo”.
Criticando a lentidão do setor público, disse ainda a senhora presidente: “A burocracia distorceu as necessidades do Estado brasileiro por mais de 60 anos. Para avançarmos é necessário tornar o Estado brasileiro um Estado eficiente, transparente e moderno. Um Estado à altura das necessidades que nosso povo tem de obras, de projetos, de programas, de realizações, que simplifiquem a vida do cidadão”. Mais 

 

 

 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-gleisi-e-requiao 

É sintomática a trégua do senador Roberto Requião (PMDB) à sua adversária Gleisi Hoffmann (PT). “Determinei ao meu pessoal nenhuma critica a Gleisi. Nosso confronto de projetos será no segundo turno”, disse Requião no Twitter. Mas nos corredores do Senado, a conversa é outra. O jornalista Lauro Jardim, da Veja, escancarou o acordo entre o PT (leia-se Rui Falcão) e o PMDB dos senadores Renan Calheiros e Valdir Raupp. Ao saber que os peemedebistas terão um suporte de R$ 40 milhões do PT, Michel Temer voltou à presidência do partido e impôs algumas condições: apoio incondicional à Dilma (o que Requião já está fazendo) e pacto de não-agressão com candidaturas petistas (o que Requião acaba de fazer com Gleisi).

Lauro Jardim na coluna Radar adianta que cinco candidaturas de senadores peemedebistas serão beneficiadas com o aporte petista de R$ 40 bilhões. No Senado, o PMDB tem quatro candidatos a governador: Lobão Filho (AM), Eunício Oliveira (CE), Eduardo Braga (AM) e Requião (PR). O quinto beneficiado seria o filho de Renan, o deputado Renan Filho (PMDB), candidato ao governo de Alagoas.

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

2307-turismo-foz

Em dezembro do ano passado, estava tudo pronto para a proibição da entrada de veículos particulares, entre vans de turismo e taxis, no Parque Nacional do Iguaçu, quando representantes do trade turístico de Foz do Iguaçu foram a Brasília, quando saiu a determinação do Ministério do Meio Ambiente, com o de Turismo e Casa Civil, que o Instituto Chico Mendes teria seis meses para publicar no Diário Oficial a regulamentação do transporte na Unidade de Conservação. O prazo acabou no dia 26 de junho e segundo o Conselho Municipal de Turismo, a publicação não aconteceu.

Uma minuta elaborada pelo Conselho do PNI foi enviada a capital em abril. Sem a publicação, o transporte no parque não está regulamentado. O assunto já gerou vários protestos.

Outra situação que está preocupando o trade é a suspensão dos passeios radicais, como trilha, rapel e arvorismo. O contrato com a empresa que tinha esta concessão, Canion Iguaçu, terminou no começo deste mês e não foi renovado. Uma nova licitação também não foi feita. Os passeios não estão sendo vendidos.

Outro contrato que ainda não foi renovado é com a Helisul, que faz o sobrevoo nas Cataratas. Ele termina dia 12 de agosto. A suspensão destes atrativos alternativos traz prejuízo.

Representantes do Comtur vão a Brasília esta semana protocolar ofícios pedindo explicações nos Ministérios de Meio Ambiente e Turismo sobre o transporte no parque e os passeios radicais.

A direção local do Instituto não se pronunciou sobre o assunto. Em Brasília a assessoria de Comunicação informou que “A questão de realização de nova licitação para as atividades de arvorismo, rapel e escalada será tratada após a revisão do plano de manejo do parque nacional do Iguaçu. O Instituto está avaliando a situação da concessão para realização de vôos panorâmicos para verificar se será necessária nova licitação ou se existe possibilidade legal de renovação do contrato em vigor”.

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail

23jul

Em entrevista a Rádio Band B, o candidato do Psol, Bernardo Pilotto, disse que o senador Roberto Requião (PMDB) “é bom de discurso e ruim de prática”. “O Requião é bom de discurso e ruim de prática. Fala que é contra os pedágios, mas tem o dono dos pedágios na sua chapa. Fala que que é contra o agronegócio, mas tem um monte de latifundiários na chapa dele”. Ouça o áudio AQUI

 

 

FacebookGoogle+LinkedInTwitterPinterestEmail
Página12... 122»