Arquivo mensais:janeiro 2017

Ladrões algemados fazem ligação direta e escapam em Curitiba; VÍDEO

Situação ocorreu na sexta-feira (27), no Bairro Alto, em Curitiba.

Dupla tentou roubar de idosos roçadeira que custa mais de R$ 1 mil.

Do G1 PR

Uma dupla suspeita de tentar roubar um casal de idosos escapou de carro mesmo algemada e sem a chave do veículo, em Curitiba. Os dois tinham sido algemados por um vigilante que passava pela região, pouco tempo antes. A situação ocorreu no Bairro Alto, na manhã de sexta-feira (27), e foi registrada por um morador.

Segundo Admir Muchenski, de 64 anos, os suspeitos, um homem e uma mulher, chegaram à Rua Mucuri, em um Uno branco, enquanto ele e a esposa cortavam a grama de um cliente. Os idosos usavam uma roçadeira profissional, avaliada em mais de R$ 1 mil. Veja o vídeo AQUI

 

 

 

 

Ex-vereador de Cascavel condenado por peculato se entrega à polícia

Mandado de prisão contra Júlio Cesar Leme da Silva foi expedido no dia 26.

Político foi condenado a cinco anos de prisão em regime semiaberto.

Do G1 PR, com informações da RPC Cascavel

De acordo com a Justiça, Júlio Cesar Leme da Silva acumulou salários irregularmente entre maio de 2007 e dezembro de 2008 enquanto era presidente da Câmara de Vereadores de Cascavel (Foto: AEN / Divulgação)De acordo com a Justiça, Júlio Cesar Leme da Silva acumulou salários irregularmente entre maio de 2007 e dezembro de 2008 enquanto era presidente da Câmara de Vereadores de Cascavel 

O ex-vereador de Cascavel, no oeste do Paraná, Júlio Cesar Leme da Silva se entregou nesta terça-feira (31) à polícia. Contra ele havia um mandado de prisão expedido no dia 26 de janeiro pela 3ª Vara Criminal. O ex-parlamentar foi condenado a cinco anos de prisão em regime semiaberto por crime de peculato.

De acordo com a Justiça, Júlio Cesar acumulou salários irregularmente entre maio de 2007 e dezembro de 2008, quando era presidente da Câmara de Vereadores. As irregularidades fazem parte de uma denúncia apresentada pelo Ministério Público em 2012.

Em nota, os advogados do ex-vereador informaram que ele se apresentou espontaneamente na 6ª Subdivisão Policial (6ª SDP) em Cascavel e que comentarão o caso “em momento oportuno”. Eles disseram ainda que devem pedir por meio de revisão criminal que a sentença, já transitada em julgado, seja revista.

PT contra Gleisi e Lindbergh

download

Humberto Costa e Jorge Viana, defensores de Eunício Oliveira, estão de mal com Lindbergh e Gleisi Hoffmann, acusados pelos colegas em recente reunião do partido de “incitarem a militância” e “agirem como adversários”.

Detalha a coluna Radar:

“Em dado momento, os presentes lembraram que ninguém levantou a palavra quando o PT negociou com o PMDB o fatiamento do processo de impeachment de Dilma Rousseff, justamente no dia em que ocorreu o que eles chamam de golpe, e, por isso, atirar pedras contra a eventual aliança com Eunício seria patético.”

PT pode encolher para 2 senadores, em 2018

 

Dos dez senadores atuais, 8 enfrentarão as urnas em 2018

Condenado por improbidade administrativa em duas ações, Lindbergh pode ser enquadrado na Ficha Limpa e não poderá disputar a eleição.

A denúncia da PGR contra Gleisi foi aceita por unanimidade no STF. A acusação é de embolsar de R$1 milhão na roubalheira à Petrobras.

Atual vice-presidente do Senado, Jorge Viana (AC), é outro na mira da polícia. Ele seria o “menino da floresta” em planilhas da Odebrecht.

Ponto Final

“Sou a sanidade em pessoa”, do senador Roberto Requião (PMDB-PR) ao analisar as faculdades mentais de colegas.

Receita agropecuária deverá crescer 5,6% em 2017

images (3)

Neste ano os produtores voltarão a ter alta na receita. O Valor Bruto da Produção (VBP), faturamento da porteira pra dentro, deverá crescer 5,6% em 2017 na comparação com o ano passado, para R$ 573 bilhões – segunda estimativa da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA). O resultado é atribuído principalmente às boas perspectivas de aumento da safra 2016/17 de grãos, de 15,3%. Desta forma, o setor agrícola terá elevação de 7,22% na receita bruta, que ficará em R$ 345,3 bilhões. O VBP da pecuária deverá crescer 2,76%, com estimativa de faturamento de R$ 202,6 bilhões, diante do incremento da produção de carne, aves, suínos e leite. Para a soja, responsável por quase 25% do VBP do setor agropecuário, o aumento da safra compensará a queda dos preços. Desta forma, o faturamento com a oleaginosa subirá 8,7% em relação a 2016, para R$ 139,2 bilhões. A receita do algodão terá alta de 10,1% na receita. Já a do milho crescerá 26,9% (R$ 64,7 bilhões), reflexo dos bons preços nos mercados interno e externo e do aumento da produção.

Fonte: CNA

Justiça decide soltar 5 políticos de Foz suspeitos de desvio de dinheiro

Além deles, ex-assessor de prefeito Reni Pereira deixou prisão.

Grupo foi preso no dia 15 de dezembro na Operação Pecúlio da PF.

Do G1 RS

Grupo foi preso em 15 de dezembro em operação da Polícia Federal (Foto: Reprodução/RPC)
Grupo foi preso em 15 de dezembro em operação da Polícia Federal 

O Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre, concedeu habeas corpus a quatro ex-vereadores e um vereador de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, investigados por desvio de dinheiro público. O grupo foi preso no dia 15 de dezembro na Operação Pecúlio da Polícia Federal.

Além deles, também deixou a prisão o ex-assessor do ex-prefeito Reni Pereira (PSB), Juarez Silveira dos Santos. Ele foi solto, mas recebeu uma tornozeleira eletrônica. Além disso, fica proibido de exercer função pública e contatar com outros investigados.

A decisão, da 7ª Turma do tribunal, concedeu parcialmente o habeas corpus aos réus que eram vereadores, mas não se reelegeram  em 2016. São eles: Fernando Henrique Duso, Paulo Ricardo da Rocha, Hermógenes de Oliveira e Paulo Cesar Queiroz

Os quatro ex-vereadores tiveram a prisão substituída por medidas cautelares como o pagamento de fiança de R$ 100 mil, proibição de contato com os outros réus e de acesso à prefeitura de Foz do Iguaçu.

Entre os vereadores reeleitos, apenas Rudinei Moura teve o habeas corpus concedido parcialmente devido à situação da esposa, que perdeu o bebê que esperavam e se encontra internada no Hospital de Clínicas de Curitiba. Ele deverá pagar fiança de R$ 100 mil e afastar-se da função pública até o julgamento da ação, além das outras sanções também arbitradas aos réus soltos.

Três vereadores tiveram habeas negado
Os vereadores reeleitos Edílio Dall’Agnoll, Darci Siqueira e Luiz Augusto Queiroga tiveram o habeas corpus negado por unanimidade pela turma. O desembargador federal Márcio Antônio Rocha, relator da decisão, entendeu que, caso fossem libertados, poderiam voltar a exercer a função pública e reincidir.

A vereadora Anice Gazzaoui teve o processo suspenso a pedido da defesa que apresentará novo habeas com nova documentação anexada. Os processos correm em segredo de Justiça.

MPF DENUNCIA 98 PESSOAS NA FASE V E VI DA PECÚLIO

Saiba quem foram os denunciados

ADAILTON AVELINO
ADELIR DINIZ DA ROSA
ADEMILTON JOAQUIM TELES
AIRES DA SILVA
ALEXANDRE SEBASTIAN HAUS DA SILVA
ALEXEI DA COSTA SANTOS
ALICE MARIA MACEDO SILVA
ANICE NAGIB GAZZAOUI
BENI RODRIGUES PINTO
CARLOS ALBERTO DOS SANTOS
CARLOS JULIANO BUDEL
CHARLES BORTOLO
CLAUDIO LUIZ PAMPLONA FREITAS
CRISTIANO FURE DE FRANÇA
DARCI SIQUEIRA ( DARCI DRM)
DENIS CRISTIANO DOS SANTOS
DIEGO FERNANDO DE SOUZA
EDILIO JOÃO DALL’AGNOL
EDSON ROBERTO BARDELLI
EDUARDO RODRIGUES DO VALE
ELCIO ANTÔNIO BARDELLI
ELOE STEINMETZ
ERICO DA ROSA MARQUES
EUCLIDES DE MORAIS BARROS JUNIOR
EVANDRO HENRIQUE FREIRE
EVORI ROBERTO PATZLAF
FABRICIO VIDAL
FAISAL AHMADD JOMAA
FERNANDO COSSA
FERNANDO HENROQUE TRICHES DUSO
FLAVIO EISELE
FRANCISCO NOROESTE MARTINS GUIMARÃES
GERALDO GENTIL BIEZEK
GESSANI DA SILVA
GIANCARLO SCHETINI DE ALMEIDA TORRES
GILBER DA TRINDADE RIBEIRO
GIRNEI DE AZEVEDO
GUILHERME DE JESUS PAULUS
HERMOGENES DE OLIVEIRA (MOGÊNIO)
INÁCIO COLOMBELLI
ISMAEL COELHO DA SILVA
IVAN LUIZ FONTES SOBRINHO
JEFERSON ANTONIO AGUIAR
JOAO MATKIEVICZ FILHO
JONES MAGRINELI JUNIOR
JORGE YAMAKOSHI
JOSE CARLOS NEVES DA SILVA (ZÉ CARLOS)
JUAREZ DA SILVA SANTOS
KAREN IZABELLA ROGONI MARQUEZI DE OLIVEIRA
LARTE JUSTINO DE OLIVEIRA FILHO
LUIZ ANDRÉ PEZIN
LUIZ ANTÔNIO PEREIRA
LUIZ AUGUSTO PINHO DE QUEIROGA
LUIZ CARLOS ALVES (CAL)
MAHMAOUD AHMAD JOMAA
MARCELO COLOMBELLI
MARCO CESAR CUNICO FATUCH
MARIA LETIZIA JIMENEZ ABATTE FIALA
MARINO GARCIA
MARLI TEREZINHA TELLES
MAURIO IOPP
MELQUIZEDEQUE DA SILVA FERREIRA CORREA SOUZA (MELQUI)
MICAEL SENSATO
MONICA MARINS JUSTINO DE OLIVEIRA
NEY ZANCHETT
NILZA ARGENTA MOREIRA
MILTON JOÃO BECKERS
OCIVALDO GOBETTI MOREIRA
ODAIR JOSÉ SILVEIRA
ORLANDO ARISTIDES ARCE MORALES
PATRICIA GOTTARDELLO FOSTER RUIZ
PAULO CESAR BARANCELLI DE ARAUJO
PAULO CESAR QUEIROZ (COQUINHO)
PAULO GUSTAVO GORSKI
PAULO RICARDO DA ROCHA
PAULO TRENTO GORSKI
RAIMUNDO GERALDO DAS NEVES
RAMON JOÃO CORREA
REGINALDO DA SILVA SOBRINHO
RENAN GUSTAVO BAEZ
RENI CLÓVIS DE SOUZA PEREIRA
RICARDO ANDRADE
RICARDO VINICIUS CUMAN
ROBERTO FLORIANI CARVALHO
RODRIGO BECKER
RODRIGO CAVALCANTE GAMA DE AZEVEDO
ROGÉIO CALAZANS DE FREITAS
ROSA MARCELA SOLENI SIEBRE
ROSÂNGELA SCHUSTER
ROZINALDO LUZIANO DOS SANTOS
ROZIMERO BEZZERA DE SOUZA
RUDINEI DE MOURA
RUI OSMAR NOVICKI JUNIOR
SALETE TONELLO
SANDRA FERREIRA DO NASCIMENTO
SANDRO MAZALI
SUSAMARA REGINATO
TULIO MARCELO DENIG BANDEIRA

A presente denúncia da lavra do MPF foi apresentada ao juízo da 3ª Vara Criminal Federal no dia 30 de janeiro de 2017. Agora caberá ao juiz Pedro Aguirre acatar ou não as denúncias. Se acatar os denunciados viram réus. O MPF denuncia porque é dever dele (in dúbio pro societá) e a Justiça na dúvida absolve (in dúbio pro réu). Lembrando que o fato de ser denunciado não significa que vá ser condenado. Aguardemos a instrução processual e na sequencia a sentença.

Veja a denúncia em sua íntegra nos dois links abaixo:

1_DENUNCIA2

1_DENUNCIA3

 

Brincando com fogo

Justiça (Foto: Arquivo Google)

Ricardo Noblat

“Qual dos poderes você mais respeita?” – perguntei na última sexta-feira aos 914 mil seguidores do meu blog no twitter. Ofereci quatro alternativas de respostas.

Computados 1.112 votos em 24 horas, eis os resultados: Congresso, 2%; Governo Federal, 2%; Justiça, 27%; Nenhum deles, 69%.

É sob esse clima de desconfiança geral que o menos desacreditado dos poderes reabrirá suas portas esta semana.

Espera-se que a ministra Cármen Lúcia, presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), homologue até amanhã o acordo de delação premiada dos 77 executivos da Odebrecht.

Era o que pretendia fazer o ministro Teori Zavascki, que morreu em um acidente de avião. Teori pretendia mais, segundo confidenciou a amigos: estava disposto também a quebrar o sigilo sobre o conteúdo da delação.

Uma segunda decisão, igualmente importante, deverá ser tomada até a próxima semana pelos ministros do STF: a escolha do sucessor de Teori como relator dos processos da Lava Jato.

Espanta o viés tupiniquim de complicar o que é simples. Na Era da velocidade e da eficiência, as coisas por aqui se tornam complexas, empacam ou se arrastam por muito mais tempo do que seria necessário.

O regimento interno do STF oferece soluções para a substituição de um ministro que morreu ou renunciou ao cargo de repente.

A primeira: espera-se a indicação de um novo ministro a ser feita pelo presidente da República e submetida à aprovação do Senado. Isso pode demorar ou não. Uma vez empossado, o novo ministro assume as tarefas daquele a quem sucedeu.

Se há pressa, como é o caso, há uma segunda solução: qualquer um dos atuais ministros pode assumir em definitivo as tarefas de Teori. Para isso basta que um deles queira. E que o presidente da Corte o designe.

Isso já aconteceu. Edson Fachini, por exemplo, quer. Os demais fingem que não. Ele é da 1ª Turma do tribunal, formada por cinco ministros. Passaria para a 2ª Turma, a que cuida da Lava Jato.

A saída mais simples e mais lógica seria entregar a relatoria a qualquer um dos membros da 2ª Turma. Eles já estão enfronhados no assunto. Eles o conhecem muito bem.

De resto, ao fim e ao cabo, o relator nada decide sozinho. Nem mesmo seus colegas de Turma. Tudo é submetido a voto no plenário onde 11 ministros têm assento.

Mas o hábito de complicar o que não é complicado suscita falsas dúvidas do tipo: e se Gilmar Mendes, presidente da 2ª Turma, quiser, como parece, ser o relator? Gilmar, logo ele? Por inimigo do PT, não pode!

Não pode também porque é amigo há mais de 30 anos do presidente Michel Temer, interessado no naufrágio da Lava-Jato. E por que não Celso de Mello, o decano do tribunal?

Sussurram que ele não quer. Está cansando. Só pensa em se aposentar. Mas a quem ele disse que não quer? Celso é o candidato in pectore de Cármen Lúcia. Se o relator fosse escolhido pelo voto popular, ele venceria com folga.

Por que não Dias Toffoli? Deus me livre! O mundo viria a baixo. Toffoli foi do PT! Sobra Ricardo Lewandowiski. Isola! Deve o cargo a dona Marisa Letícia, mulher de Lula.

Quer dizer: Gilmar não pode porque tem horror ao PT. Toffoli não pode porque não tem.

Ora, não cabe aos ministros julgar com isenção e equilíbrio?

Se nenhum dos artigos do regimento interno do STF distingue entre ministros suspeitos ou insuspeitos de preferências políticas, por que não se sorteia o nome do novo relator da Lava Jato?

Por sinal, é o que manda o regimento.

Chile e Argentina iniciam processo para licitação de túnel binacional

 

 

 

 

 

O Túnel também permitirá a conexão com Porto Alegre. Valor da obra é orçado em US$1,5 bilhão

Autoridades dos dois países realizarão, em uma cerimônia em Santiago, a convocação de pré-qualificação de empresas para o projeto e a construção da obra de cerca de US$ 1,5 bilhão, que unirá a região chilena de Coquimbo e a província argentina de San Juan.

O túnel Água Negra, que terá 14 quilômetros de extensão, deve se transformar em um corredor bioceânico central, já que também permitirá a conexão com Porto Alegre, uma das zonas mais industrializadas do Brasil.

Autoridades chilenas têm estimado que a obra, que leva em conta os estudos de engenharia, expropriações territoriais e construção, pode estar concluída em um prazo de oito a dez anos.

Entre as principais vantagens do túnel internacional está que ele será construído em uma altura inferior à da atual passagem fronteiriça da zona, o que garantirá seu funcionamento o ano inteiro, apesar das intensas nevascas do inverno austral, que muitas vezes impedem a passagem de veículos.