Justiça decide soltar 5 políticos de Foz suspeitos de desvio de dinheiro

Além deles, ex-assessor de prefeito Reni Pereira deixou prisão.

Grupo foi preso no dia 15 de dezembro na Operação Pecúlio da PF.

Do G1 RS

Grupo foi preso em 15 de dezembro em operação da Polícia Federal (Foto: Reprodução/RPC)
Grupo foi preso em 15 de dezembro em operação da Polícia Federal 

O Tribunal Regional da 4ª Região (TRF-4), com sede em Porto Alegre, concedeu habeas corpus a quatro ex-vereadores e um vereador de Foz do Iguaçu, no Oeste do Paraná, investigados por desvio de dinheiro público. O grupo foi preso no dia 15 de dezembro na Operação Pecúlio da Polícia Federal.

Além deles, também deixou a prisão o ex-assessor do ex-prefeito Reni Pereira (PSB), Juarez Silveira dos Santos. Ele foi solto, mas recebeu uma tornozeleira eletrônica. Além disso, fica proibido de exercer função pública e contatar com outros investigados.

A decisão, da 7ª Turma do tribunal, concedeu parcialmente o habeas corpus aos réus que eram vereadores, mas não se reelegeram  em 2016. São eles: Fernando Henrique Duso, Paulo Ricardo da Rocha, Hermógenes de Oliveira e Paulo Cesar Queiroz

Os quatro ex-vereadores tiveram a prisão substituída por medidas cautelares como o pagamento de fiança de R$ 100 mil, proibição de contato com os outros réus e de acesso à prefeitura de Foz do Iguaçu.

Entre os vereadores reeleitos, apenas Rudinei Moura teve o habeas corpus concedido parcialmente devido à situação da esposa, que perdeu o bebê que esperavam e se encontra internada no Hospital de Clínicas de Curitiba. Ele deverá pagar fiança de R$ 100 mil e afastar-se da função pública até o julgamento da ação, além das outras sanções também arbitradas aos réus soltos.

Três vereadores tiveram habeas negado
Os vereadores reeleitos Edílio Dall’Agnoll, Darci Siqueira e Luiz Augusto Queiroga tiveram o habeas corpus negado por unanimidade pela turma. O desembargador federal Márcio Antônio Rocha, relator da decisão, entendeu que, caso fossem libertados, poderiam voltar a exercer a função pública e reincidir.

A vereadora Anice Gazzaoui teve o processo suspenso a pedido da defesa que apresentará novo habeas com nova documentação anexada. Os processos correm em segredo de Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *