Arquivo mensais:agosto 2017

Espaço do Leitor

Legislativo Confuso

Há tempos, venho acompanhando suas sensatas opiniões no que diz respeito, a esse poder constituído e confuso de nossa cidade, o LEGISLATIVO.
REALMENTE fui pessoalmente no gabinete do Vereador Dr. Brito e constatei esse fato; um cidadão chamado Cazuza, dentro da sala do referido Vereador, tomando um belo café, desfrutando de um ambiente climatizado, computadores, telefones, enquanto o POVO padecendo lá fora, andando em um sol escaldante, tendo que pagar por seu cafézinho diário, enquanto esse cidadão desfruta das regalias que o dinheiro do povo BANCA.
É uma vergonha, estamos falando de um PODER CONSTITUÍDO, não de um prostíbulo, o pior é ver a passividade desse Vereador Dr. Brito referente a essa vergonhosa situação. Esse tal de Cazuza, sem nenhum cargo no legislativo segue usufruindo das benesses do local, ele teria sido o incentivador para que o referido Vereador, criasse a CPI do transporte público visando ficar na mídia e posteriormente cacifar-se para lançar sua candidatura a deputado. Porém, essa CPI não resultará em NADA, estão engambelando o povo.
Foi preciso um cidadão comum, pobre, verificar que a frota de ônibus está vencida, não podendo circular, enquanto o Vereador Dr. Brito, apenas faz seu SHOW, e em paralelo segue sendo investigado na Polícia Federal por suspeita de compras de votos na última eleição.  Á iniciativa partiu do Justiça Eleitoral, como o Hlucas, este importante veículo de comunicação, com a credibilidade que lhe é peculiar, vem repetindo exaustivamente.
O pior é saber da concordância do Presidente do Legislativo Sr. ROGÉRIO QUADROS, dos quadros do PTB, o mesmo segue presenciando essa absurda situação com o nosso dinheiro, porém, como um bom “conchavista” segue com o seu olhar de “paisagem”. Este vereador ainda não deu explicação convincente ao povo de Foz do Iguaçu sobre a denúncia de o jornal A Gazeta de que recebera proventos ilegais enquanto policial civil e vereador. O jornal ficou um mês martelando o assunto e de repete emudeceu. Nunca mais tocou no assunto. Será porque o “Vermelho”, presidente do PTB no município, tornou-se sócio do jornal? Será que o presidente Rogério Quadros não estaria prevaricando ao não tomar providências quanto ao vereador Protetor Jorge (do seu mesmo partido PTB) que segue no cargo mesmo com a suspensão dos direitos políticos por oito anos, determinado pelo STJ?   Sem falar que o presidente empregou inúmeros cargos comissionados na casa deste mesmo PTB. Encheu a panela!
Lucas, continue nos ajudando, eu irei levar ao conhecimento do Ministério Público essa absurda situação, não demorará, a festa acabará.

Agradecido,

Francisco.

PITACO: Leitor antenado este né?

 

Pergunte quem é coxa e amante na delação da Odebrecht?, diz advogado sobre Gleisi

Image

Nas entrevistas que deu após depoimento no STF, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) culpou o doleiro Alberto Youssef e o advogado Figueiredo Bastos pela denúncia da qual é ré na Operação Lava Jato.
O advogado, em entrevista a rádio Jovem Pan, devolveu: “pergunte para ela quem é coxa e amante na delação da Odebrecht?”.

Veja o vídeo 

 

A tolice do cobre

Editorial, Folha de S, Paulo

O governo de Michel Temer (PMDB), em seu afã de fabricar boas novas para estimular a economia, cometeu erros primários na extinção da Reserva Nacional de Cobre e seus Associados (Renca). Como dividendos, colheu apenas uma enorme —e exagerada— reação negativa na opinião pública.

Com a ajuda de celebridades, espalhou-se o rastilho de indignação com o suposto “leilão” da Amazônia para a iniciativa privada. Um juiz federal se apressou a suspender o decreto presidencial, nesta quarta-feira (30), por entender que faltou ouvir o Congresso.

O Planalto se viu acusado de liberar para destruição uma área preservada de floresta amazônica do tamanho do Espírito Santo.

A Renca nunca foi uma reserva ambiental, mas sim mineral. Criada por decreto em 1984, no período militar, objetivava manter controle estatal sobre depósitos de cobre, tântalo, ouro e outros metais.

Pode ter ajudado a coibir o desmatamento na região, mas não foi tão eficiente: há nela cerca de mil garimpeiros ilegais e 28 pistas de pouso clandestinas, segundo o Ministério de Minas e Energia.

A área coincide com a de nove unidades de conservação (UCs), criadas após a declaração da Renca. O decreto original de Temer ressalvava que prevaleceria a legislação ambiental incidente, mas não cuidou de consultar, antes de baixá-lo, a pasta do Meio Ambiente.

Uma secretaria do ministério havia preparado, em 2016, nota técnica contrária ao fim da Renca, por considerar que estimularia influxo populacional e desmatamento. Só após a onda de protestos o ministro Sarney Filho (PV) foi chamado para ajudar a apagar o incêndio.

O Planalto produziu então outro decreto, explicitando salvaguardas ambientais. O texto esclarece, por exemplo, que por ora não estarão previstas novas atividades de pesquisa e lavra dentro das UCs.

Em termos formais, a extinção não parece tão ameaçadora quanto se alardeou. Seria ingênuo, contudo, considerar inócua a medida.

O governo Temer tem patrocinado vários retrocessos na regulamentação ambiental. Além disso, a crise orçamentária no setor público reduziu sobremaneira sua capacidade de fiscalizar abusos.

O Planalto reincide no equívoco palmar de lançar medidas controversas sobre questões complexas, de afogadilho e sem os devidos esclarecimentos à sociedade.

Bomba – Alexandre Romano, o amante da senadora Gleisi Hoffmann

Bomba - Alexandre Romano, o amante da senadora Gleisi Hoffmann

Cenários rocambolescos costumam testemunhar cenas picantes (mesmo que recheadas de pecado), de amor. É o caso do Gstaad Palace, nos Alpes suíços. Ali, onde o calor dos corpos costuma afastar o frio, Gleisi Hoffmann, a senadora dos olhos verdes do PT, entregou seu coração ao amante. Era sexo selvagem. Ela arranhava, mordia, fazia escorrer filetes de sangue do peito de Alexandre Romano. Depois, para saciar a sede, vinhos e champanhes finíssimos.

Leia mais