Arquivo mensais:dezembro 2017

Prolatadas as duas últimas sentenças da Pecúlio azedando o Natal de muita gente

Juiz federal Pedro Carvalho Aguirre Filho prolatou as duas últimas sentenças da Pecúlio, encerrando assim, com chave de ouro, a tramitação deste que foi considerado o maior processo criminal já autuado na terra das Cataratas. O processo, complexo, por envolver quase duas centenas de réus, chegou ao seu final com a sentença. Nesta que foi a última fase da Pecúlio julgou-se duas ações penais: Uma da Câmara Municipal envolvendo um atual vereador e outros ex-vereadores. Nesta sentença condenou-se o vereador Beni Rodrigues e os ex-vereadores Darci DRM, Edilio Dallagnol, e o Paulo Rocha. Neste grupo pontuou também o ex-secretário de Governo Sergio Beltrame. As penas variaram entre dois a três de anos de reclusão em regime aberto mais multas e com suspensão dos direitos políticos por oito anos. Na segunda sentença, mais dura, duríssima, sentenciou-se o núcleo da organização criminosa (Orcrim) onde as sentenças foram mais rigorosas. Muitos dos acusados (á maioria) foram condenados á penas expressivas. Quem teve pena inferior a quatro anos o juiz arbitrou o regime aberto (prestação de serviços á comunidade, etc). Aos que passaram de quatro anos o regime é o sem-aberto em que o apenado deve dormir na cadeia e sair para trabalhar, sempre com tornozeleira.
Lembrando que ainda restar julgar a NIPOTI e seus desdobramentos cujas sentenças devem
pipocar por meados de 2018. Como podem ver a rapadura é doce mas não é mole não…

Com esse post dou por encerrado a participação deste blog neste ano.
Volto em Janeiro de 2018. Desejo a todos um FELIZ NATAL E PRÓSPERO ANO NOVO.

Sugestão: A melhor maneira de ler uma sentença é começar do fim para o começo. Para melhor entendimentos das penas aplicadas (fica a sugestão).

Abaixo a sentença que condenou ex-vereadores

SENTENÇA HERMOGENES E DARCI

A seguir a sentença que julgou a Orcrim  (onde o bicho pegou pra valer!)

SENTENÇA HERMOGENES CONDENAÇÃO

 

Faleceu Flavio Antunes

O quarto deputado federal de Paranavaí (Alencar Furtado, Heitor Alencar Furtado, Dionísio Dal Prá além de Flávio Antunes) faleceu na tarde de segunda, vítima de câncer. O sepultamento será amanhã (19) e vários políticos já manifestaram seu pesar como o Governador Beto Richa, o ex prefeito de Curitiba  Gustavo Fruet (“Muito triste! Alguém apaixonado pelo que fazia e um raro entusiasta da boa politica. Mesmo à distância, aprendi a admirar e acreditar no Flávio que enfrentou todo tipo de obstáculos“), o secretário e jornalista Deonilson Roldo (“Meu amigo, gente de caráter, firme! Uma perda”), o ex secretário do Paraná em Brasília, Amauri Escudero (“Um líder nato, amigo fraterno e que muito cedo nos deixa.”). O deputado federal Luiz Carlos Hauly escreveu em sua página no facebook – “Com grande pesar, lamento o falecimento do amigo Flávio Antunes, jovem liderança. Foi meu suplente de Deputado Federal, e mantivemos sempre uma grande proximidade. Era sempre meu anfitrião nas visitas a Paranavaí. Descanse em paz meu amigo. E que Deus possa confortar os familiares e amigos.” O tucano Flavio Antunes notabilizou-se pelo trabalho profícuo em defesa da instalação da Reitoria da Unespar em Paranavaí junto ao governador Beto Richa, como mostra a capa do Diário do Noroeste.

CÂMARA MUNICIPAL DESAPROVA CONTAS DE 2010 DO EX PREFEITO PAULO MCD.

Assessor do vereador Luiz Brito sob tratamento psiquiátrico/psicológico

As pessoas que leem esse blog estão carecas de saber das presepadas que o Cazuza apronta. Parece não haver limite para esse indivíduo. Vejam a última do gajo:
Protocolou nos autos de um processo que movo contra ele um atestado em forma de Perícia Médica -INSS – Reavaliação Pericial.atestado – onde se lê que o mesmo encontra-se em estado delicado de saúde, sob tratamento psiquiátrico e psicológico, tomando remédios controlados, e nesta condição encontra-se impossibilitado de exercer qualquer atividade laboral. Pois bem, analisemos:

Cazuza tem uma atuação marcante na Câmara Municipal como assessor de imprensa do vereador Brito. Desfila pela casa de leis com um crachá de jornalista no pescoço. Ganhou até o apelido de “o décimo sexto vereador”. Dia desses esteve na Polícia federal cobrindo uma entrevista coletiva. Foi o mestre de cerimonias de um evento que o PATRIOTA (partido do vereador Brito) realizou para filiar a patuleia. Foi mestre de cerimonias da audiência pública criado pelo Brito para discutir o tema “Escola Sem Partido”. Cazuza continua escrevendo em seu blog. Não sai dos grupos de whassap. Se se tivesse doente agiria assim? Teria se metido numa encrenca com o Tulio Bandeira? Teria atacado a primeira dama Rosa Jerônimo? E a mim?
Em suma, Cazuza encontra-se em franca atividade profissional, como se deduz do relato acima. E tem mais, se o Cazuza estiver recebendo benefício do INSS por invalidez, mas como visto continua trabalhando, pode ser denunciado por crime federal. E pode ser preso por isso, evidente!

Ao que tudo indica Cazuza tem dupla personalidade: Numa está doente, na outra segue á todo vapor, inclusive articulando para a cassação dos cinco vereadores. 

PS: Uma banca de advogados da cidade vai usar o atestado médico para peticionar á Caixa e ao MPF para tentar entender o seguinte: se ele está doente por que continua trabalhando como jornalista ou coisa que o valha? Lugar de doente é no hospital e/ou acamado na sua residência.

Na foto abaixo o Cazuza fazendo gaiatices na coletiva da PF enquanto o delegado falava a imprensa.

Abaixo o atestado médico considerando-o incapaz para o trabalho.

anexoautosn002686811.2017.8.16.0030

 

 

OS INGLESES E A SUA ESTRANHA JUSTIÇA

Vingança de ex-mulher não é mole…

Em 2003, um deputado inglês chamado Chris Huhne foi pego por um radar dirigindo em alta velocidade. Pra não perder a carteira, pois na Inglaterra é feio uma autoridade infringir a lei, a mulher dele, Vicky Price, assumiu a culpa.
O tempo passa, o deputado vira Ministro da Energia, o casamento acaba, a Vicky decide se vingar e conta a história pra imprensa.
Como é na Inglaterra, o tal do Chris Huhne é obrigado a se demitir, primeiro do ministério e depois do Parlamento. ACABOU A HISTORIA?
NÃO.
Na Inglaterra é crime mentir para a Justiça e ontem a Justiça sentenciou o casal, envolvido na fraude do radar, em 8 meses de cadeia pra cada um. E vão ter de pagar multa de 120 mil libras, uns 500 mil reais.
Segredo de Justiça? Nem pensar, julgamento aberto ao público e à imprensa.
Segurança nacional? Nem pensar, infrator é infrator.
Privilégio porque é político? Nadica de nada!
E o que disse o Primeiro Ministro David Cameron quando soube da condenação do seu ex-ministro: “É uma conspiração da mídia conservadora para denegrir a imagem do meu governo”. Certo? Errado.
O que disse o Primeiro Ministro David Cameron acerca do seu ex-ministro foi o seguinte: “É pra todo mundo ficar sabendo que ninguém, por mais alto e poderoso que seja, está fora do braço da lei”.
Estes ingleses são um bando de botocudos.
Só mesmo nesses paisinhos capitalistas europeus um ministro perde o cargo por mentir para um guarda de trânsito.

Porque aqui sim, neste maravilhoso paraíso chamado Brasil, a primeira lei que um guarda de trânsito aprende é saber com quem está falando.

Por causa da rosa, a erva daninha acaba sendo regada.
(provérbio chinês)

DA BBC 

 

 

Espírito natalino baixou na 2ª Turma do Supremo

Josias de Souza

O espírito natalino baixou na Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal. Por maioria de votos ou por obra e graça de decisões monocrátricas do ministro Gilmar Mendes, saltaram do supremo saco de bondades dois habeas corpus, um trancamento de processo e quatro sepultamentos de denúncias criminais. Tudo isso nesta segunda-feira.

Abriram-se as celas de Adriana Anselmo e de Marco Antonio de Luca, respectivamente mulher e provedor de propinas de Sérgio Cabral, o multi-condenado ex-governador do Rio de Janeiro.

Suspeudeu-se um inquérito por suspeita de corrupção que corria no STJ contra o governador tucano do Paraná Beto Richa. De resto, foram ao arquivo denúncias criminais contra o senador Benedito de Lira (PP-AL) e os deputados Arthur Lira (PP-AL), Eduardo da Fonte (PP-PE) e José Guimarães (PT-CE).

As decisões que beneficiaram Adriana Anselmo e Beto Richa são da lavra de Gilmar Mendes. Todas as demais foram tomadas por uma magra maioria de dois votos a um. Relator da Lava Jato, o ministro Edson Fachin votou a favor da tranca e do banco dos réus. Gilmar e o colega Dias Toffoli abriram as celas e os arquivos. Ausentaram-se Ricardo Lewandowski e Celso de Mello.

De duas uma: ou o Ministério Público e as instâncias inferiores do Judiciário realizam um péssimo trabalho ou a Segunda Turma do Supremo, autoconvertida numa espécie de Lapônia, decidiu provar aos encrencados da República que Papai Noel existe.

Preso ex-vereador de Pinhais investigado por se apropriar de parte dos salários de assessores parlamentares

Um ex-vereador de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, investigado pelo Ministério Público do Paraná por se apropriar de parte dos salários de assessores parlamentares, foi preso neste fim de semana pela Polícia Civil. Ele estava foragido desde o final de novembro, quando teve mandado de prisão expedido pela Justiça (o mandado era temporário e venceu, mas o MPPR requereu a prisão preventiva do ex-parlamentar, que foi decretada na semana passada).

No início do mês, o ex-vereador foi denunciado pela 4ª Promotoria de Justiça do Foro Regional de Pinhais por suposta prática, por 37 vezes, do crime de corrupção ativa e também pelo delito de falso testemunho. Junto com ele, foram denunciadas mais quatro pessoas, incluindo três de seus ex-assessores (todos por falso testemunho). Em 20 de novembro, o núcleo de Curitiba do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Promotoria de Justiça cumpriram mandados de busca e apreensão nas residências e em empresas do ex-vereador e de outra pessoa acusada de crime cometido a mando dele.

As investigações ocorrem no âmbito da Operação Racha, instaurada pelas 2ª e 4ª Promotorias de Justiça do Foro Regional de Pinhais, com apoio do Gaeco, para apurar esquema de funcionários fantasmas e de divisão de remunerações de assessores parlamentares comissionados que entregavam mensalmente parte dos seus vencimentos a alguns vereadores da comarca. As investigações continuam em curso para apurar a mesma prática em relação a outros vereadores e ex-vereadores de Pinhais.

Outro denunciado – No âmbito da mesma operação, na sexta-feira passada, 15 dezembro, a 4ª Promotoria de Justiça do Foro Regional de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, denunciou criminalmente outro ex-vereador pela prática dos crimes de organização criminosa, corrupção passiva, peculato e estelionato. Além dele, foram denunciados seis de seus ex-assessores, assim como sua esposa, filhos e seu advogado na época dos fatos.

Conforme apurou o Ministério Público, de janeiro de 2013 a dezembro de 2016, os denunciados fizeram parte de uma organização criminosa, que tinha como comandante o ex-vereador e objetivava o enriquecimento ilícito de todos os seus integrantes. Segundo a Promotoria, isso acontecia mediante a cobrança de parte da remuneração dos assessores comissionados, que, por sua vez, não precisavam comparecer ao trabalho, podendo ser considerados servidores fantasmas. A organização criminosa funcionava mediante divisão de tarefas, cabendo ao ex-vereador nomear os seus assessores, assim como receber uma parte dos valores repassados pelos seus subordinados.

PITACO: E aqui em Foz do Iguaçu será que segue tudo dentro dos conformes?

 

Estranha lentidão do STF

Mais um ano chega ao fim e o Supremo Tribunal Federal (STF) não concluiu nenhum processo relativo à Operação Lava Jato. Surpreendentemente, a Suprema Corte ainda não proferiu nenhuma sentença em processo penal da Lava Jato a respeito de réu com foro privilegiado. Entra ano, sai ano e fica mais forte a impressão de que o STF é sepulcro dessas ações penais.

Leia Mais »