Arquivo mensais:fevereiro 2018

GAECO cumpre mandados de busca e apreensão em investigação envolvendo servidor público municipal de Foz do Iguaçu

Na manhã desta terça-feira, 27 de fevereiro, integrantes do núcleo de Foz do Iguaçu (Oeste paranaense) do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Paraná, com apoio de agentes do Gaeco de Guarapuava, cumpriram cinco mandados de busca e apreensão em investigação que envolve um servidor público municipal.

Os mandados foram cumpridos na residência do servidor, na sede da Procuradoria do Município de Foz do Iguaçu, em um clube de voo, na residência de empresário do ramo ambiental e na sede de sua empresa. São investigados supostos crimes previstos na legislação ambiental (emissão de licenças ambientais indevidas mediante pagamento de propina), além de delitos contra a administração pública e lavagem de dinheiro. Durante o cumprimento dos mandados, uma pessoa foi detida pela posse de anabolizantes e pequena quantidade de droga. Foram apreendidas também quantias em dinheiro.

A ação faz parte da segunda fase da Operação Agile, cujas investigações começaram em meados de 2017, com a deflagração da primeira etapa, que apreendeu computadores na Secretaria do Meio Ambiente de Foz do Iguaçu. Mais detalhes sobre esta fase da operação serão informados em entrevista coletiva que será realizada a partir das 13h45 desta terça-feira, na sede do Gaeco de Foz do Iguaçu.

Com MP/PR

Irmão de ex-deputado André Vargas é preso por determinação de Moro para início de cumprimento de pena

Leon Denis Vargas Ilário foi condenado em agosto de 2015 a 11 anos de prisão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

O juiz Sérgio Moro, responsável pelos processos da Lava Jato na primeira instância, ordenou a prisão de Leon Denis Vargas Ilário, que é irmão do ex-deputado André Vargas, para início do cumprimento de pena.

Segundo o advogado Alexandre Augusto Loper, Leon se apresentou espontaneamente na sede da PF, em Curitiba, nesta segunda-feira (26). O mandado de prisão foi expedido por Moro na quinta-feira (22).

Na mesma ação, também foram condenados André Vargas e publicitário Ricardo Hoffmann. André está detido no Complexo Médico-Penal em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e Hoffmann foi solto em janeiro de 2016 por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF).

Conforme a sentença, “a prática dos crimes de corrupção envolveu o pagamento de propinas de pelo menos R$ 1.103.950,12 por intermédio de contratos de publicidade firmados com a Caixa e o Ministério da Saúde”.

Entenda como funcionava o esquema

Segundo as investigações, Ricardo Hoffmann, que era dirigente da agência de publicidade Borghi Lowe, ofereceu vantagens indevidas para que o então deputado André Vargas interviesse para que a empresa fosse contratada para realizar serviços para a Caixa Econômica Federal e o Ministério da Saúde.

Em contrapartida, Hoffmann orientou as empresas subcontratadas para executar os serviços para que depositassem os valores referente às comissões de bônus de volume em contas controladas por empresas de fachada de André Vargas e seus irmãos, Leon e Milton Vargas.

O bônus de volume é uma prática corriqueira no mercado publicitário, e representa na prática uma comissão que as subcontratadas para execução de serviços pagam para a agência de publicidade que as selecionou.

Segundo Moro, depoimentos de representantes destas empresas subcontratadas ao longo do processo reforçaram a tese de que Hoffmann havia pedido que os bônus fossem pagos às empresas dos irmãos Vargas, e não à Borghi Lowe.

JABOTICABA BRASILEIRA

Foi preciso soltar 12 mil presas para que a Adriana Ancelmo (mulher do pilantra do Sérgio Cabral) permanecesse solta. É PRÁCABÁ!

DESCOBRIRAM A PÓLVORA!

O bicho comedor de carniça do Bonato vociferou que os hoteleiros são os maiores devedores de impostos da prefeitura de Foz do Iguaçu. Língua fala isso há três décadas. E as viúvas do turismo, que cuidam deste setor, por esse mesmo tempo, em berço esplêndido. Gostam mesmos é de fazer festas nestes hotéis. Tão nem aí…

VÉIO CHICO DELIRANDO DE NOVO

E o dinossauro da imprensa nativa, o véio Chico, escreveu na azedinha que o Osmar Dias está na frente do Ratinho, e da Cida, na corrida ao governo do estado. Para dar essa “informação” Chico se baseou em pesquisas. Só que “esqueceu” de nomear as pesquisas…

SADI BUZANELO

E o Sadi Buzanelo está que não aguenta mais de tanta fissura para substituir a Inês da Saúde.  Sadi quer ser secretário de Saúde novamente. Saudades dos tempos do Daijó…

 

 

 

 

STF CONDENA SENADOR ACIR GURGACZ A PRISÃO E PERDA DE MANDATO

Saída do cargo deve ser submetida à análise do Senado.

A primeira turma do STF (Supremo Tribunal Federal) condenou o senador Acir Gurgacz (PDT-RO) por crime contra o sistema financeiro nacional a quatro anos e seis meses de prisão em regime semiaberto e perda do mandato, que deve ser submetida à análise do Senado.

Os ministros também decidiram que ele deve perder os direitos políticos e pagar multa. O senador foi absolvido da denúncia por crime de peculato.

De acordo com a PGR (Procuradoria-Geral da República), entre 2003 e 2004 Gurgacz obteve financiamento junto ao Banco da Amazônia mediante fraude.


O senador Acir Gurgacz é oriundo de renomada família de empresários de Cascavel

O dinheiro serviria para renovar a frota de ônibus da Eucatur, uma empresa de transporte cuja filial era gerida por ele mesmo.

De acordo com a denúncia, o senador teria se apropriado de R$ 525 mil da verba de R$ 1,5 milhão liberada pelo banco. O restante da quantia, segundo a PGR, foi usado para comprar ônibus usados, e a prestação de contas foi feita com a apresentação de notas fiscais falsas.

O delito foi enquadrado como desvio de finalidade de recursos provenientes de financiamento concedido por instituição financeira oficial. Ele foi condenado por esse crime.

Relator do caso, o ministro Alexandre de Moraes votou pela condenação do senador com o argumento de que os valores deveriam ter sido integralmente aplicados na compra de veículos novos, uma vez que o financiamento do banco serviria para renovar a frota da empresa. Ele foi acompanhado pela maioria dos magistrados.

 

 

Atlético pagava “blogueiro” pra defender cartolas e atacar críticos; Clube se pronuncia

Clube desembolsou R$ 72 mil pra pagar blogueiro Robson Cerizza, dono do blog Olho no Lance

Por Gazeta do Povo 

Postagem no Twitter revelou o contrato com o blogueiro. Foto: Reprodução/Twitter

Uma postagem no perfil do Twitter Anonymous_CAP trouxe à luz um contrato de prestações de serviços um tanto quanto peculiar. Na lista de pagamentos de Atlético, consta um valor mensal R$ 6 mil pago a Robson Cerizza por serviços de consultoria de comunicação ao Conselho Deliberativo. No total, durante 2017, o “consultor” recebeu a bolada de R$ 72 mil.

O que seria, no entanto, um simples trabalho de comunicação, chama a atenção quando se liga Cerizza ao codinome Izzy Rock, blogueiro dado aos elogios rasgados à atual gestão do clube. Em entrevista à Gazeta do Povo, Cerizza confirmou a existência do contrato com o Furacão, mas não conseguiu indicar nenhum trabalho feito que tenha sido publicado, seja por meio das redes sociais, seja pelo site de clube. Há, apenas, textos na seção “Voz do Sócio”.

“Sobre o trabalho que desenvolvi pro Atlético, cabe só mim e ao Atlético, é uma coisa nossa. Sigilo em termos porque é uma questão de ética de trabalho”, comentou sobre os serviços prestados. “Tem bastante coisa, mas não vou divulgar, é uma coisa entre eu (sic) e o Atlético”.

Olho no lance

Anonymous_CAP também publicou cópia da folha de pagamento. Foto: Reprodução/Twitter

Anonymous_CAP também publicou cópia da folha de pagamento. Foto: Reprodução/Twitter

Desde 2015, Cerizza mantém o blog “Olho no Lance”, onde publica textos sobre o Atlético e temas sobre o município de Colombo. Nos posts assinados com o nome do blog, ele faz propaganda do clube e elogios à administração, enquanto dispara contra a imprensa e até contra torcedores do próprio Atlético. Não há indicação, no entanto, de que se trate de conteúdo financiado pelo Furacão.

O contrato, em tese, terminou no final deste mês, mas em um post recente, de 8 de fevereiro, ele publicou um material sob o título “Porque (sic) necessitamos de títulos?”: “Não pergunte o que o Atlético pode fazer por ti, mas sim o que você pode fazer por esse clube e sem esperar retorno, pois quem ama faz de coração e não por ganância e ambição”.

Na última postagem do Atlético no Twitter, um vídeo do lateral Carleto incentivando a troca de Timemanias pelos torcedores, uma série de comentários cobra uma posição da diretoria. “Quantas timemanias eu preciso pra virar blogueiro do Atlético? E ganhar 6 conto por mês?”, aponta um, para uma sequência de reclamações. Diante do alcance, o perfil Anonymous_CAP não deixou mais visível as postagens com o contrato.

Na tarde desta terça-feira (27) o Atlético emitiu uma nota oficial, onde não nega o contrato, mas acusa a divulgação de “criminosa”.

O Clube Atlético Paranaense comunica, por dever de transparência aos seus Sócios e torcedores, que a recente publicação de um Contrato de Prestação de Serviços envolvendo um colaborador do Clube é criminosa, pois reproduz documento privado, com cláusula de confidencialidade, e expõe de forma danosa a vida do profissional, notadamente pela leviana tentativa de associação entre as matérias que publica em seu “blog” pessoal e a consultoria de comunicação que presta ao Clube.

Importa manifestar ainda que o objeto e conteúdo do referido contrato são plenamente lícitos e sujeitos à política de Compliance e de Auditoria, realizada por auditores externos independentes, sendo anualmente submetidos a aprovação colegiada via Conselho Deliberativo.

Por fim, informa que o “vazamento” de forma tendenciosa e política do referido documento configura conduta criminosa, sendo que já estão sendo adotadas todas as medidas cabíveis, interna e externamente, para fins de apuração e devida responsabilização dos envolvidos pela indevida divulgação.

 

O japa da sucuri vai trabalhar para o Odebrecht

Bela Megale conversou com o recém-aposentado Japonês da Federal.

Ele contou que “abrirá com um sócio uma empresa de consultoria e segurança, mas não quer detalhar o escopo de trabalho, possíveis clientes e prospecções”.

A repórter de O Globo escreveu que “representantes da OAS, empreiteira que tem Léo Pinheiro entre os sócios, um dos presos na carceragem de Curitiba, relataram que o executivo já falou sobre os planos do agente e manifestou interesse em contratar a empresa de Ishii para atuar na área de segurança do grupo. O policial não comenta o caso.”

Vale contrata empresa de Beltrame para prestar consultoria na área de segurança

Mais um Federal na iniciativa privada. O delegado Sergio Beltrame está com a Vale do Rio Doce
Beltrame é ex-secretário de Segurança do Rio Foto: Fernando Lemos / 21.09.2015

Menos de dois meses depois de deixar a Secretaria estadual de Segurança do Rio, cargo que ocupou por uma década, José Mariano Beltrame tem um novo emprego. A mineradora Vale anunciou a contratação de uma empresa de consultoria gerenciada pelo ex-secretário para prestar serviços na área de segurança tanto no Brasil quanto no exterior.

A confirmação do nome de Beltrame como consultor foi feito por intermédio de um comunicado interno distribuído entre funcionários da Vale. No texto, consta que a empresa de consultoria “apoiará a área de Segurança Corporativa na elaboração de planos táticos” em todas as regiões onde a mineradora mantém operações, além de “auxiliar no relacionamento com autoridades locais de segurança pública” e “contribuir para a construção do Plano Diretor de Segurança”, a partir de visitas a operações da Vale no Brasil e em Moçambique. A mensagem traz ainda uma declaração de Clovis Torres, diretor-executivo de Recursos Humanos, Sustentabilidade, Integridade Corporativa e Consultoria Geral da mineradora:

“O objetivo de trazer José Mariano Beltrame para trabalhar conosco é auxiliar na atuação preventiva para garantir a segurança e integridade de todos os nossos empregados, prestadores de serviços e visitantes, em linha com os nossos valores ‘A vida em primeiro lugar’ e ‘Agir de Forma Correta’. Devemos também zelar pelo patrimônio da nossa empresa”, afirmou Clovis.

O comunicado é encerrado com um breve currículo do ex-secretário de Segurança: “Beltrame é formado em Direito pela Universidade Federal de Santa Maria, em Administração de Empresas e em Administração Pública pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Especializou-se em Inteligência Estratégica na Universidade Salgado de Oliveira e na Escola Superior de Guerra. Fez curso de Inteligência da Secretaria Nacional de Segurança Pública e de Análise de Dados de Inteligência Policial.”

Beltrame assumiu a Secretaria de Segurança do Rio em 2007, no início do primeiro mandato do então governador Sérgio Cabral, e permaneceu no cargo também após a eleição de Pezão como sucessor. A principal bandeira de suas gestão foram as Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), instaladas em dezenas de comunidades. O ex-secretário deixou o posto em meio ao aumentos dos índices de violência a uma grave crise financeira, com atrasos de pagamento para agentes de segurança. Ele foi substituído por um de seus homens fortes, Roberto Sá.

Detalhe – depois da gestão dos Policiais Federais Sergio Beltrame, Fernando Francisquini e Wagner Mesquita nas Secretarias de Segurança Pública do Rio de Janeiro e Paraná acabou o ‘tchan’ de que eles FEDERAIS são os bambambãs do setor.

 
Bastou a intervenção no Rio de Janeiro depois de mais de 8 anos de Sergio Beltrame para virar pó este dogma purificado.
 
Nem para o Ministério de Segurança servem ou foram indicados.