Arquivo mensais:agosto 2018

Prefeito Chico pode estar praticando improbidade administrativa

O inciso XIV da lei complementar 17 de 1993 (administração Dobrandino da Silva) diz com todas as letras “condenação criminal irrecorrível, igual ou superior a dois (2) anos em crime comum…) o gestor público deverá proceder a exoneração do servidor público. Está na letra fria da lei. Abaixo a lei para a apreciação do procurador Geral Osli Machado.  Voltamos ao tema em função de o Diretor do Fozhabita Eduardo Teixeira (Fraldão) ter sido condenado em março de 2017 há dois anos de reclusão, sendo que em maio deste mesmo ano o prefeito Chico o nomeou para dirigir o órgão de habitação do município. Ou seja, o secretário de administração (beijoqueiro) deixou de avisar ao prefeito que o Fraldão não poderia ser nomeado por estar condenado. Faiô!

A mesma linha de raciocínio se aplica para o GM também condenado por dois anos e quatro meses. Ambos devem ser exonerados, se não for feito o MP, por dever de ofício, deverá peticionar ao juiz para as providencias cabíveis. O mesmo raciocínio se aplica a Câmara Municipal que tem a obrigação de fiscalizar os atos do executivo (se não fosse os cargos comissionados, né?) .

Inciso XIV

AMIA: descubren cómo lavaba dinero un libanés de la Triple Frontera para las finanzas del Hezbollah

Informe secreto de la Unidad de Información Financiera

Assad Barakat jugaba en el casino de Puerto Iguazú y se llevó U$S 10 millones destinados a las arcas de ese grupo acusado por el ataque terrorista a la mutual judía.

Do Clarin 

El libanés Assad Mohamed Barakat en 2006 cuando fue extraditado desde Brasil a Paraguay.

Pese a que el libanés Assad Barakat había tenido un pedido de detención de la justicia argentina en el 2006, entró 332 veces al país desde el 2012 a la fecha, lavó 10 millones de dólares en un casino de Puerto Iguazú y viajó una vez por año al Líbano e Irán. Un reporte secreto lo señala como el “financista” en la zona del Triple Frontera del Hezbollah, que está acusado como autor material del atentado terrorista contra la AMIA. Su yerno es considerado el “jefe del ala militar” del Hezbollah en la zona, entre otros datos que fueron entregados por el Gobierno al juez federal de la localidad misionera de Eldorado, Miguel Guerrero. La Unidad de Información Financiera (UIF) decretó el congelamiento de los bienes del clan Barakat por 6 meses pero la decisión final quedará en manos del juez Guerrero quien investiga, bajo secreto de sumario, las relaciones comerciales de Barakat en la Argentina.

La misión de Barakat y su clan de parientes “es recaudar fondos” para enviar a supuestas asociaciones de beneficiencia vinculadas al Hezbollah, una estructura político-militar del Líbano acusada de ser la autora material del atentado contra la AMIA de 1994 e incluida en la lista de organizaciones terroristas de EE.UU e Israel, entre otros países. El principal respaldo político, económico, militar y religioso de Hezbollah es Irán. Ambos países profesan el islamismo chiita. Barakat ya había sido denunciado por el ex fiscal de la AMIA, Alberto Nisman.

El informe de la Unidad de Información Financiera (UIF), que dirige Mariano Federici, considera a Barakat un “financista del terrorismo” aunque la Argentina no disponga una ley para considerarlo como terrorista. La definición significa un cambio de política exterior respecto del kirchnerismo que, en los últimos años, había subestimado estas actividades sospechosas de financiamiento desde la zona de la Triple Frontera, desde donde la justicia considera llegó el conductor suicida de la Trafic usada como cochebomba y el detonador utilizado para los 300 kilos de amonal que volaron la AMIA, entre otros apoyos logísticos para el atentado. La denuncia de la UIF fue ayer apoyada por el Fincen, el organismo antilavado de EE.UU.

La nueva investigación sobre el clan Barakat la inició la UIF después de recibir diferentes reportes de operaciones sospechosas de un casino por “evasión impositiva” e información de inteligencia de EE.UU. y otros países.

El llamado clan Barakat está compuesto por catorce personasinvolucradas en los delitos de falsificación de documentos, dinero y marcas, contrabando de ropa, extorsión, tráfico de drogas y armas y financiación del terrorismo. En los últimos años, la falsificación de marcas y el contrabando de ropa se convirtió en una fuente de financiación del terrorismo mayor que el narcotráfico.

La primera pista llegó desde el Casino de Puerto Iguazú. Entre 2015 y abril de 2018 Barakat cobró de cambio de fichas $ 11.700.000. Recibió el dinero en efectivo y volvió luego a Ciudad del Este sin declarar que llevaba cash. La Aduana obliga a declarar cuando el viajero lleva más de 10 mil dólares. En las fuentes gubernamentales consultadas se desconoce el origen del dinero que jugó Barakat y cuánto realmente apostó cómo para ganar tantos premios. De todos modos, tanto la UIF como el titular de la Procuraduría de Criminalidad Económica y Lavado de Activos (PROCELAC), Gabriel Pérez Barberá, sospechan que ese fue un mecanismo de lavado de dinero para poder luego girar planta blanca al exterior. La segunda pista de cómo operaba el clan tiene que ver con un informe de la dirección de Migraciones, que dirige Horacio García. Barakat tuvo 620 cruces migratorios entre enero de 2015 y octubre de 2017: es decir cada tres días visitó Argentina. Pero de ese total de viajes, 332 corresponden a ingresos y solo 288 a salidas. Por lo tanto, hubo muchas salidas por medios ilegales que no quedaron registradas.

El hermano de Barakat, Hussein Alí, por su parte, entre el 1 de enero de 2015 y el 19 de octubre de 2017 tuvo 257 cruces migratorios (siempre entre Brasil y Argentina). Hussein Ali reside en Brasil. Y cobró premios por $ 7.657.709, con el mismo modus operandi. En el gobierno argentino se sabe que también jugaron grandes cifras de dinero en el hotel casino Conrad, ubicado en Punta del Este, Uruguay.  El clan Barakat, integrado por 14 personas, destaca el informe al que accedió Clarín, comparten patrones: “todos cruzaron la frontera con diferencia de minutos, en vehículos compartidos y a veces los mismos, todos ganaban premios en el Casino”. Once de ellos residen en Brasil y tres en Paraguay. Este grupo cobró, en total, entre 2012 a 2018 $ 102.812.668. Al tipo de cambio de ese momento, esta cifra totalrepresenta 10 millones de dólares. Ninguno de los 14 declaró ante la AFIP los fondos ingresados y tampoco los premios sacados del país.

Assad Ahmad Barakat, la cabeza del clan, fue inscripto en 2004 por la Oficina de Control de Estados Unidos como supuesto “terrorista global especialmente designado”, donde tiene congelamiento de bienes. Según EE.UU., Barakat tenía relación con el director financiero de Hezbollah llamado Alí Kazan. Su principal enlace era fue nada más y nada menos que con el entonces Secretario General de Hezbollah: sheik Hasan Nasralla.

Desde el punto de vista comercial, Barakat es dueño de Casa Apollo y Barakat Import Export LTDA, ubicada en una galería Uniamérica (ex galería Page) de Ciudad del Este que suele estar custodiada por guardias armados. Según la UIF, esas empresas “funcionaban como fachada para realizar actividades recaudación para Hezbollah“. Entre los propietarios de esas empresas aparecen hermanos de Barakat: Muhamad Yusif, Hazmi Ahmad, Hafmi Ahmad, Haltem Ahmad, quienes también fueron calificados como “terroristas globales” por los EE.UU. Además, un miembro de su círculo familiar estuvo denunciado de vínculos “con el narcotráfico: traficaban la droga que iba a Siria a través de Buenos Aires”.

Hay más conexiones. El secretario personal de Barakat llamado Mohamed Fagad operó como “enviado militar de Hezbollah en la Triple Frontera”. Fagad había quedado detenido por Estados Unidos en 1991 y después en 2001 por evasión fiscal en Paraguay.

Antes de esta denuncia, Barakat -quien siempre negó las acusaciones y obtuvo el apoyo de la comunidad árabe de Ciudad del Este- ya había sido investigado en Argentina. Por orden del ex juez federal Juan José Galeano, el primer magistrado que tuvo a su cargo la causa AMIA, en diciembre del 2006, Barakat fue detenido en Brasil, luego de haber huido del Paraguay a Iquique, Chile, y tuvo un pedido de extradición paraguayo. Pero no por una causa vinculada al terrorismo sino por violación a los derechos de autor de juegos para “Play Station”, de la empresa Sony. Con la excusa de ese delito menor es que en Paraguay los servicios de inteligencia querían interrogarlo por los videos de comandos suicidas encontrados en sus locales. La policía paraguaya secuestró videos grabados en discos compactos en los que se ven discursos del secretario general del Hezbollah, Hassan Nasrallah, relazando la labor de los que “se inmolaron por defender la Patria”, durante los 90 en el sur del Líbano. Luego la denuncia de Galeano, destituido en el 2004, fue seguida por el fiscal Nisman en sus acusaciones contra Irán como supuesto autor intelectual del atentado contra la AMIA. Pero, hasta ahora, las acusaciones no terminaron en un pedido formal de extradición a Paraguay, donde reside.

 

Notícia do Legislativo nativo

Curió caguetou pro Língua que uma empresa chamada RR ganhadora da licitação para fazer limpeza na Câmara Municipal, faliu. E que a solução encontrada foi chamar ás presas a empresa Labor, aquela famosa que parou na Pecúlio.

PITACO: Será o Benedito?

Comparativo mostra que os vereadores estão trabalhando mais

Os trabalhos da Câmara Municipal de Foz do Iguaçu superam atividades de legislaturas anteriores. Dados comparativos encaminhados à Presidência pelo Departamento Legislativo mostram que em 2017 foram apreciados 213 projetos contra 100 do ano anterior. Neste ano de 2018 já são 153 projetos cadastrados.   O Presidente da Casa, Rogério Quadros, destacou na última sessão o trabalho parlamentar e aprovação de leis importantes que incentivam o desenvolvimento econômico do município, como da lei das microcervejarias, incentivo à Casa do Empreendedor, parcelamento do solo, plano diretor e outras proposições como a reformulação do distrito industrial. Além disso, ele enfatizou o trabalho conjunto dos   vereadores nesta gest&atil de;o.

Saiba mais em: https://bit.ly/2PiveRH

Câmara aprova projeto que regulariza área do Posto de Bombeiros do Morumbi

O projeto, encaminhado pelo Executivo, foi aprovado em 1ª e 2ª discussões pelos Vereadores. A aprovação garantiu a desafetação de uma área verde, com cerca de 10.000m², que fica ao lado do posto. A ampliação irá permitir melhorar a infraestrutura do quartel com a construção de alojamentos femininos, vestiários e banheiros. Com a desafetação, o mesmo projeto já viabilizou compensação ambiental em outra área.

Saiba mais em: https://bit.ly/2nNwCQ2

Refis será votado na próxima semana

Após receber parecer favorável das comissões reunidas, o Refis 2018 será votado pelos vereadores na próxima semana. O projeto possibilita ao contribuinte regularizar débitos relativos à multa e juros de tributos como ISS e IPTU, vencidos até 31 de dezembro de 2017. A proposta é de que o cidadão e, também, empresas que aderirem ao Refis possam ter desconto nas multas e juros de mora para pagamento à vista da seguinte maneira: 100% até 10 de outubro deste ano; 95% até 12 de novembro e 90% até 10 de dezembro de 2018. O projeto está previsto para votação na próxima sessão extraordinária, na terça-feira, 21 de agosto.

Fundação pede reforço no quadro de pessoal

Outro projeto a ser votado na próxima semana é um do Executivo pedindo reforço no quadro de pessoal da Fundação Cultural. Atualmente, a instituição trabalha com apenas oito servidores de carreira. O projeto de lei 56/2018 que viabiliza aumento no quadro da Fundação recebeu parecer favorável das comissões reunidas da Casa. A matéria volta ao plenário para votação na próxima terça-feira, 21 de agosto, em sessão extraordinária.

Câmara aguarda parecer da PGM para votar emenda relativa à operação de crédito

Um pedido de vistas de uma emenda, feito pelo Vereador Tenente Coronel Jahnke, Presidente da Comissão Mista, adiou a votação de um projeto do prefeito relativo a um empréstimo. Segundo o vereador, o intuito é estudar mais sobre o projeto, encaminhado pelo Poder Executivo, que trata sobre uma operação de crédito que seria realizada junto ao Banco do Brasil no valor de R$ 5 milhões. Os recursos são para aquisição de maquinários pesados a serem utilizados no programa de pavimentação asfáltica do Município. O vereador Jahnke reforçou que a Câmara aguardará um parecer da Procuradoria Geral do Município (PGM) ao projeto. O vereador tem até dez dias para fazer a análise da emenda.

Saiba mais em: https://bit.ly/2waDACb

 

Operação Riquixá continua rendendo muito pano pra manga

MPPR requer nulidade de contratos e nova licitação de ônibus para Curitiba

O Ministério Público do Paraná, por meio da 1ª Promotoria de Justiça de Proteção ao Patrimônio Público de Curitiba, ajuizou nesta quinta-feira, 16 de agosto, ação civil pública requerendo a nulidade dos contratos de concessão do serviço público de transporte público urbano da capital. São requeridos na ação o Município de Curitiba, a Urbanização de Curitiba S/A (Urbs) e três consórcios de empresas de transporte público da cidade. O ajuizamento da ação ocorre após decisão judicial que, no dia 13 de agosto, recebeu a ação penal correspondente e deferiu o compartilhamento de provas.

Na ação, o MP requer liminarmente a determinação judicial para realização de nova licitação, no prazo de até 180 dias, prorrogáveis por igual período, com a finalidade de contratar empresas idôneas para a prestação do serviço público essencial. Pede ainda a garantia da manutenção dos serviços de transporte coletivo na cidade, mantendo os atuais contratos em execução, sob a forma de contrato emergencial, para que a população não seja prejudicada até a regularização da situação.

Riquixá – A ação decorre de investigações da Operação Riquixá, deflagrada pelos núcleos de Guarapuava do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e do Grupo Especializado na Proteção ao Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa (Gepatria), que apurou a atuação de organização criminosa formada por membros de um grupo econômico familiar, sediado na capital paranaense, que teria praticado diversos crimes ligados ao direcionamento ilegal de concorrências públicas para a concessão do serviço público de transporte coletivo em vários municípios brasileiros.

Conforme as investigações, as diferentes empresas do mesmo grupo, unindo-se a outras, organizavam-se para fraudar licitações, combinando preços e divisões de lotes de concessões de transporte público, com o intuito de manter o domínio da execução da atividade na capital paranaense. As investigações contaram com delação de um colaborador e reuniram diversos documentos atestando que as licitações eram previamente combinadas entre as empresas.

Além do pedido para que o Município e a Urbs realizem novo processo licitatório, em 180 dias, a ação requer que sejam declarados nulos um procedimento licitatório (Concorrência 005/2009-Urbs) – em virtude de fraude à licitação e afronta ao princípio da isonomia entre os licitantes – e os contratos de concessão do serviço de transporte público dele decorrentes, firmados entre o Município de Curitiba e as concessionárias do serviço de transporte coletivo urbano.

Com MP-PR.

MPF pede impugnação do concurso da Polícia Federal na Justiça

Segundo o MPF, o edital do concurso viola cotas para pessoas com deficiência

Ed Alves/CB/D.A Press

O MPF ingressou com ação civil pública pedindo retificação do edital do concurso público da Polícia Federal, para delegado, perito, agente, escrivão e papiloscopista. A ação foi apresentada na quarta-feira (14/8) à Justiça Federal de Caxias do Sul (RS), para que seja concedida liminar obrigando a seleção a assegurar o cumprimento da legislação com relação aos direitos das pessoas com deficiência nas fases do concurso.

Leia mais 

Passatempo!

ONU pede que Brasil rasgue suas leis por Lula

Colecionadora de derrotas nos tribunais brasileiros, a defesa de Lula obteve uma vitória no Comitê de Direitos Humanos da ONU. Em comunicado divulgado nesta sexta-feira, o órgão anotou que “pediu que o Brasil tome todas as medidas necessárias para garantir que Lula possa usufruir e exercitar seus direitos políticos enquanto está na prisão, como um candidato nas eleições presidenciais de 2018″.

Na prática, o comitê da ONU pediu, com outras palavras, o seguinte: “Brasil, mande às favas as decisões judiciais adotadas contra Lula —da primeira à quarta instância. Em seguida, rasgue a legislação para permitir que um preso inelegível dispute a honorável posição de presidente da República.” Tais providências transformariam o Brasil numa republiqueta. Mas o órgão da ONU está pouco se lixando.

Deve-se a novidade a um pedido feito pela defesa de Lula ao comitê da ONU em 27 de julho. Sem ouvir o Estado brasileiro, os responsáveis pela recomendação concluíram que Lula deve ter: ”acesso apropriado à imprensa e a integrantes de seu partido político”. E não pode ser impedido de ”concorrer às eleições presidenciais de 2018 até que todos os recursos pendentes de revisão contra sua condenação sejam completados em um procedimento justo e que a condenação seja final”.

A decisão chega num instante em que o Tribunal Superior Eleitoral se prepara para julgar o pedido de registro da candidatura presidencial de Lula. São grandes, muito grandes, enormes as chances de o presidiário petista ser enquadrado no artigo da Lei da Ficha Limpa que proíbe condenados em segunda instância de concorrer a cargos eletivos. O comitê da ONU não está nem aí para a legislação do Brasil.

Diz o comunicado oficial que ”o comitê, agindo pelos relatores especiais (…) tomou nota das alegações do autor (Lula) e concluiu que os fatos apresentados indicam a a existência de possível dano irreparável aos direitos do autor sob o artigo 25 da convenção” do Pacto de Direitos Civis da ONU. O que diz esse artigo? Todos têm o direito ”de votar e ser eleito em eleições genuínas que devem ser universais e em sufrágio igual conduzidas por voto secreto, garantindo a livre expressão dos eleitores”.

Mas, afinal, qual é a posição dos sábios da ONU sobre o mérito do processo contra Lula? Ouvido pela BBC, o órgão de direitos humanos informou: ”Este pedido não significa que o Comitê tenha encontrado uma violação (contra Lula) ainda –é uma medida urgente para preservar o direito de Lula, enquanto se aguarda a consideração do caso sobre o mérito, que acontecerá no próximo ano.”

Quer dizer: guiando-se pela argumentação dos advogados de Lula, os doutores da ONU avaliaram que Lula corre o risco de sofrer “possível dano irreparável”. Mas reconhecem que ainda não foi detectada uma “violação”. E informam que só no ano de 2019 analisarão o mérito do processo em que o pajé do PT foi condenado a 12 anos e um mês de cadeia por corrupção e lavagem de dinheiro. Ai, ai, ai…

Com todo o respeito que o Comitê dos Direitos Humanos da ONU merece, a decisão anunciada nesta sexta-feira é ofensiva. Ofende o Estado Democrático de Direito ao dar ouvidos aos advogados de Lula sem oferecer ao Brasil a oportunidade de exercer a sacrossanta prerrogativa do contraditório. Ofende a inteligência alheia ao colocar os hipotéticos direitos do presidiário acima do direito da sociedade brasileira a um processo eleitoral moralmente sustentável.

Exultantes, Cristiano Zanin e Valeska Teixeira Zanin Martins, advogados de Lula, apressaram-se em divulgar uma nota. Nela, atribuíram à recomendação do comitê da ONU ares de decisão indiscutível e imutável.

Eis o que escreveram os defensores de Lula: ”Diante dessa nova decisão, nenhum órgão do Estado brasileiro poderá apresentar qualquer obstáculo para que o ex-presidente Lula possa concorrer nas eleições presidenciais de 2018 até a existência de decisão transitada em julgado em um processo justo, assim como será necessário franquear a ele acesso irrestrito à imprensa e aos membros de coligação política durante a campanha.”

Curioso, muito curioso, curiosíssimo. A banca comandada por Cristiano e Valeska questiona até as vírgulas dos acórdãos do Supremo Tribunal Federal contra Lula. Tomada pelos métodos de trabalho, a dupla pratica uma advocacia muito parecida com uma guerrilha judicial. Por vezes, a defesa de Lula roça a chicana. Mas Cristiano e Valeska pedem ao Brasil que se finja de bobo e trate uma recomendação de um órgão da ONU como um imperativo celestial.

Os advogados do preso petista levam suas queixas ao Comitê de Direitos Humanos da ONU desde 2016. Acusam Sergio Moro de promover uma perseguição implacável a um político irrepreensível. Se fizessem uma análise superficial, os companheiros da ONU verificariam que, em dois anos, os perseguidores de Lula se converteram num pequeno exército. O grupo cresce na proporção direta das descobertas sobre os malfeitos da divindade petista.

Protagonista de oito processos, cinco dos quais já convertidos em ações penais, o presidenciável petista tem no seu encalço investigadores da Polícia Federal, auditores da Receita Federal, procuradores da República de Curitiba e de Brasília, magistrados lotados nas duas praças, delatores em profusão e repórteres golpistas…

Mais recententemente, os perseguidores começaram a surgir às pencas, na forma de colegiados: os três desembargadores da Oitava Turma do TRF-4, que elevaram a pena de 9 anos para 12 anos; os cinco ministros da Quinta Turma do STJ, que negaram o habeas corpus preventivo; a maioria de 6 a 5 que avalizou, no plenário do Supremo, o encarceramento do condenado. Vem aí o plenário do TSE, que está na bica de enquadrar o ficha-suja na lei que exige dos candidatos prontuários limpos.

A decisão da ONU tem grande peso político. Mas não é um imperativo legal. Embora seja signatário do pacto que orientou o comitê, o Brasil não é obrigado a obedecer cegamente a um conjunto de recomendações míopes. Ignorando a decisão, o país decerto sofrerá um desgaste. Mas nada supera a corrosão a que seria submetido o processo eleitoral brasileiro se um corrupto de segundo grau fosse tratado como um candidato limpinho. Um comitê da ONU não pode rasgar a legislação brasileira.

Com Josias de Souza.

Candidatos que foram ao debate da Band não são do Paraná

(por Ruth Bolognese) – O Tribunal Regional Eleitoral não percebeu a tempo, mas nenhum daqueles candidatos que participaram ontem do debate da Band é do Paraná. Foram substituídos na última hora e estão em disputa pelo cargo de governador em estados e províncias de outros países.

Contraponto teve acesso à lista verdadeira dos seus nomes e suas origens, vazada por um membro do Ministério Público Federal que só se comunica por parábolas bíblicas. Vai preservar, no entanto, seus nomes, para se preservar. Vamos às revelações:

Carlos Ratinho Jr (Catar – Oriente Médio) – Fala com tanta ansiedade e tão rápido em sua língua nativa, o árabe, que não dá pra entender quase nada. E apresenta projetos tão imediatos, grandiosos e caríssimos porque acha que vai governar um estado cheio de dinheiro, onde petróleo dá mais que chuchu. Mas não se sabe se o candidato, que é biliardário, gosta de chuchu.

Cida Borghetti (Guadalajara – México) – É, na verdade, candidata a miss e foi surpreendida pelo convite para falar sobre os problemas e os projetos do Paraná. Compreensível, portanto, a confusão generalizada nas próprias falas. Não teve tempo para revelar se leu ou não “O Pequeno Príncipe”, mas repetiu incessantemente que quer a paz mundial em todo o estado.

João Arruda (Inglaterra) – É candidato a Primeiro Ministro e logo se percebe isso porque fala calma e pausadamente e é mais genérico do que os medicamentos da Farmácia Popular. Como todo bom inglês de Yorkshire tem olhos e sangue azuis, o terno elegante e o corte de cabelo com tradição. Quando se empolga, o gestual lembra muito seu tio favorito, que pertence a uma ala do Labour Party, mas é regido pela Carta de Puebla.

Ogier Buchi (Transilvânia) – Pela origem, distância e mistério de sua terra natal, nem estava prevista a participação dele no debate da Band. Mas ameaçou arrasar o plantio de alho do Paraná e foi aceito. Como dorme de dia, estava mais aceso do que lâmpada de led, e o pacto de sangue feito minutos antes do debate com a jovem indefesa do Palácio afastou-a do perigo de ser atacada pelos demais predadores.

Dr. Rosinha e prof. Piva (Lituânia e Estônia) – Ambos vieram, juntos, de dois países que já pertenceram à União República Socialista Soviética, antiga URSS, mas hoje pertencem ao bloco europeu. Mesmo adaptados, tanto o prof. Piva como o Dr. Rosinha ainda têm traumas do passado e por isso ficaram lembrando o tempo todo da Guerra do Centro Cívico e dos (baixos) salários dos trabalhadores. Ambos desprezaram todos os burgueses, presentes e ausentes.

Beto Richa (localização ignorada e sujeito oculto do debate) – Mesmo ausente foi o mais atacado da noite e apontado como o grande responsável por todos os problemas do Paraná desde os tempos do Nuñes Cabeza de Vaca. E o mais rejeitado: Cida Borghetti (a vice dele) e Ratinho Jr (da equipe dele) tiveram amnésia conjunta e não conseguiram se lembrar, em nenhum momento, quem é Beto Richa.

Mas o debate foi bom. Ou , como no famoso bordão da Lady Keity: bom, bom não foi. Mas tá bom, tá bom, tá bom…

PITACO: Venenosa.

PITACO II: Língua até que estava disposto a escrever sobre o insonso debate, mas minha Musa, a serpente ruiva, disse tudo. Massacrou a patuleia. Bem feito!

Ação na BR-277 apreende quatro veículos carregados com mercadorias

Na manhã desta sexta-feira (17), ação da Divisão de Repressão ao Contrabando e Descaminho da Receita Federal de Foz do Iguaçu em conjunto com policiais do BPFron, na BR-277, resultou na apreensão de quatro veículos com mercadorias descaminhadas. As abordagens aos quatro veículos ocorreram na cidade Céu Azul/PR. Após inspeção detalhada, contatou-se que todos eles estavam carregados com mercadorias descaminhadas, sendo a maioria eletrônicos, principalmente videogames, acessórios para celular e bebidas. Os veículos, que seguiam para diversos locais no estado do Paraná, foram então lacrados e encaminhados para a Alfândega da receita Federal de Foz do Iguaçu, para posterior contagem e valoração.

As mercadorias, estimadas em R$100 mil, foram apreendidas juntamente com os veículos. Já os ocupantes liberados, porém serão encaminhadas Representações Fiscais para Fins Penais ao Ministério Público para apuração dos ilícitos.