BONATO COSPE NO PRATO QUE COMEU

A foto acima mostra notinha publicada no bico do corvo da Gazeta neste final de semana atacando o Ermínio Gatti

Durante mais de duas décadas, Rogério Bonato incensou o empresário Ermínio Gatti na fronteira. Até os cachorros de rua sabem disso. O “puxa saquismo” chegou á ponto de em 2009 Rogério escrever o livro (Gato Preto, Gato Branco – O Retrato de um amigo) que foi comemorado com lauda feijoada no hotel Carimã. Esse mesmo hotel onde Bonato frequentava com frequência para encher a pança proeminente. Até um dos capítulos da papagaiada denominada festival de humor aconteceu no hotel Carimã. Ermínio e Bonato sempre foram unha e carne, a ponto de, no final dos anos 90, Ermínio ter comprado as cotas do Bento Vidal e Mário Boff na Gazeta e chamou quem para dirigir o jornal? Bingo! Rogério Bonato. Que não passava de um colunista meia boca do jornaleco. E lá ficou o Bonato dirigindo o jornal a ponto de chamá-lo de “os olhos da fronteira” e que valeria 10 milhões de dólares (ufânico esse individuo chegado numa mentira…). E o que aconteceu depois de mais de uma década de o Bonato dirigir o jornal? Quebrou!
Hoje o Bonato, subestimando a inteligência alheia, escreve que quem quebrou o jornal foi o Rosalvo Tavares um aventureiro de Cascavel que pousou na fronteira e arrendou o jornal por dois anos. Saiu por decisão judicial. Ermínio teve novamente a posse do jornal. E quem seguiu dirigindo o jornal? Ele, o Bonato! Para facilitar as coisas entendeu de colocar seu filho Fabinho, o little orange, como diretor. O resto vocês sabem, o jornal fechou ás portas, deixando um caminhão de passivo descoberto. Só de ações trabalhistas são mais de 40. E o que fez o Bonato? Abriu outro duas quadras acima (com o nome Gazeta Dário) e colocou no nome de seu filho. E como as coisas continuaram pretas, decidiu celebrar parceria com o deputado Vermelho, onde passou a constar no expediente o nome do filho do mesmo chamado Matheus, o “little red”, na condição de diretor adjunto. Portanto, “little orange e little red” são os donos do jornal que continua padecendo de claudicação intermitente. Para continuarem a usar a impressora do jornal e usar o nome Gazeta, fez-se contrato em que ele deveria pagar certa importância mensal. Pagou? Não! Ação  judicial (que vai despenar o corvo) toma forma no fórum de Justiça. Questão de dias o deputado Vermelho terá que enfiar a mão no bolso para bancar essa conta, mesmo porque o Bonato segue quebradíssimo. O filho que cumpre pena por embriagues ao volante segue na mesma vertente.  Rememorando: Bonato coleciona três condenações por improbidades administrativas, com direitos políticos suspensos por muito e muitos anos. Não pode votar, e nem ser votado (caso o vereador Márcio Rosa entre numas de lançá-lo candidato a qualquer coisa). Acabou para o Bonato que completou 60 anos com esse currículo invejável. Lembrando que tudo que esse indivíduo inventou na vida, deu errado. Cinco restaurantes, agencia de publicidade, artista plástico (a Justiça eleitoral confiscou todos os quadros), fez um filme que foi um fracasso retumbante (tadinho do Mário Du Trevor, o artista principal, deve ter morrido de desgosto…). Tudo que o Bonato dirigiu desandou, porque teria sido diferente com a Gazeta?

Resumindo: Bonato cospe no prato que comeu. É um ingrato. Esqueceu tudo que o Gatti fez por ele em mais de duas décadas.
E como ele deu para atacar o amigo nos últimos tempos, pergunta-se:

Bonato mentiu no livro, ou está mentindo agora?

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *