Justiça manda bloquear R$ 100 mil do deputado Felipe Francischini por gastos com alimentação

Suspeita é a de que o parlamentar do PSL usou irregularmente verba de ressarcimento da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

 

Deputado federal Felipe Francischini (PSL) ocupou cadeira na Alep entre 2015 e 2018 — Foto: Divulgação/Facebook

Deputado federal Felipe Francischini (PSL) ocupou cadeira na Alep entre 2015 e 2018 — Foto: Divulgação/Facebook

A Justiça do Paraná determinou o bloqueio de bens do deputado federal Felipe Francischini (PSL), presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, por suspeita de gastos irregulares com alimentação com verba da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep).

O bloqueio no valor de até R$ 103,2 mil foi decretado pela juíza Bruna Greggio, da 2ª Vara da Fazenda Pública de Curitiba, na sexta-feira (12). O processo, que estava em sigilo, foi tornado público nesta terça-feira (16).

Francischini foi deputado estadual no Paraná entre 2015 e 2018. Em nota, a defesa informou que ele está à disposição da Justiça para prestar todos os esclarecimentos possíveis.

“O uso da verba de ressarcimento referente à alimentação está regulamentada e amparada de forma muita clara no ato da comissão executiva da Assembleia que, recentemente, deixou o texto ainda mais transparente”, diz trecho.

O caso foi levado à Justiça pelo grupo Vigilantes da Gestão Pública. Conforme a decisão que determinou o bloqueio, há “fortes indícios do desvio de finalidade na utilização do dinheiro público”.

“Do que consta nos autos, o ressarcimento com alimentação não poderia ser inserido em reembolso para despesas com viagem ou com moradia, vez que a parte ré dispunha de residência nesta capital no transcurso do exercício do mandato”, diz a juíza.

Mensalmente, os deputados estaduais paranaenses têm direito a uma verba de ressarcimento de R$ 31.470. “Aparentemente, a conduta do então parlamentar estadual se insere em ato contrário a lei e a moralidade”.

PITACO: Será por isso que segue tão gordinho?

Leia mais 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *