Categorias
outros

O roteiro da propina entregue a Gleisi Hoffmann

Em vídeo, advogado reconstitui o trajeto que percorreu para entregar quatro pacotes de dinheiro desviado da Petrobras para a senadora do PT

 

Um vídeo produzido pela Polícia Federal reconstituiu quatro crimes sequenciais de corrupção e será usado pela Procuradoria-Geral da República como prova contra a senadora Gleisi Hoffmann, atual presidente do PT. Acompanhado por um investigador, o advogado Antônio Carlos Pieruccini percorreu as ruas de Curitiba para mostrar como fez chegar à senadora quatro pacotes de dinheiro derivados do esquema de subornos montado na Petrobras. No vídeo, o advogado, que fez delação premiada, vai com o agente aos locais onde entregou quatro pacotes de 250 mil reais cada, além de dar detalhes sobre o que conversava quando contava o dinheiro da senadora. Informações são da VEJA.

Clique no link acima

Categorias
outros

Governo Técnico Chico/Bobato

Nosso personagem de hoje é nosso saudoso Washington Sena o locutor futebolístico de peladas.

Chico Brasileiro prometeu equipe com capacitação técnica, então o Língua vai começar a pesquisar o currículo do STAFF.

Washington Sena nomeado Diretor de Marketing da Secretaria de Turismo, possui formação na área? Aliás qual é sua formação Mr. Washington? O senhor domina quantos idiomas? É graduado em propaganda & marketing? Conhece a chamada “industria sem chaminé”?
Neste segmento do turismo o inglês fluente é imprescindível, mas nosso herói deve dominar, não é Gilmar Piola?

Agora Washington é sombra e vida boa (good life). Viagens internacionais, feiras, congressos. Outro dia estava em Assuncion PY. Esse certamente é o emprego que o nosso herói pediu a Deus, sem concurso público, of course.
Por onde estará esta semana nosso Diretor de Marketing? Em algum lugar do mundo? Com diárias e passagens pagas pelo município? Será?

Chico cumpra as promessas. Gente técnica e capacitada. Please!!!

Nos próximos dias vamos analisar o currículo do Fraldão. Onde trabalhou recentemente? Tem formação Técnica?

EVENTO COM O JOSÉ MARIANO BELTRAME

Cerca de 100 pessoas foram ouvir o Beltrame ex-secretário de Segurança Pública do Rio de Janeiro por 10 anos (governos Sergio Cabral/Pezão) vender o seu peixe na delegacia da PF nesta manhã chuvosa de quinta-feira.

Beltrame falou por mais de uma hora sendo intensamente aplaudido no final. Por essas estranhas ironias da vida, justo hoje, um coronel da PM do Rio de Janeiro foi morto por assaltantes.

A criatividade do cerimonialista

Bruce Brussolo mostrou mais uma vez por que é considerado o melhor cerimonialista da região.  Coube a ele abrir o evento em que falou o Beltrame. Bruce anunciou o início do evento dizendo”todos de pé para ouvirmos o hino Nacional. Ocorreu que o “Zé do áudio” esqueceu de providenciar a geringonça. Bruce não titubeou, começou a cantar o hino de viva voz no que foi seguido por todos os presentes.

GENERAL NA ITAIPU

Outro que esteve na Itaipu substituindo o DGB Luiz Vianna Filho foi um general, anunciado como Diretor de Assuntos Institucionais da binacional. Que chique!

POLICIAL CIVIL PRESO FOI SOLTO

O policial Vitor Borges da Silva Jr. preso por contrabando de relógios foi solto na audiência de custódia federal depois de se comprometer a pagar cinco mil reais de fiança. Vai responder a bronca em liberdade. Quanto a arma e a credencial que a PF remeteu a polícia civil, não recuperou. A arma foi encaminhada a corregedoria da PC e a credencial á criminalística.

 

 

Categorias
outros

Ministro do STF Barroso diz que Gilmar é leniente com criminosos

O ministro Luís Roberto Barroso
Ministros Barroso e Gilmar armaram um barraco hoje no STF
O tempo fechou hoje no STF entre os ministros Barroso e Gilmar Mendes. Presidente Carmen Lúcia teve que intervir para serenar os ânimos. 


Assista o magistral arranca rabo
AQUI

 

 

Categorias
outros

SÉRGIO CABRAL VAI PARA PRISÃO FEDERAL DE CAMPO GRANDE

EX-GOVERNADOR DO RIO VAI CUMPRIR PENA NO PRESÍDIO FEDERAL DO MS
Categorias
outros

Chamada de “baranga moral”, Laerte será indenizada por Reinaldo Azevedo

laerte coutinho - reinaldo azevedo - indenização

A cartunista Laerte Coutinho será indenizada por Reinaldo Azevedo, Jovem Pan e Veja (Imagem: arquivo pessoal/Facebook)

O direito de formular – e publicar – críticas não dá permissão para que se ofenda pessoas. Esse foi o entendimento do desembargador Carlos Alberto Garbi no processo envolvendo Laerte Coutinho, Reinaldo Azevedo, Veja e Jovem Pan. Em seu relatório no caso, o magistrado do Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo (TJ-SP) votou por manter a decisão de primeira instância, ordenando que o colunista e os dois veículos de comunicação indenizem a cartunista transgênera em R$ 100 mil.

A ação judicial tem a ver com charge produzida por Laerte e publicada pela Folha de S. Paulo em fevereiro de 2017. Na arte, a cartunista dá a entender que há parceria afetiva entre assassinos e apoiadores do impeachment de Dilma Rousseff. Então blogueiro da Veja.com e apresentador de ‘Os Pingos nos Is’, na Jovem Pan, Reinaldo Azevedo usou o espaço que mantinha nos dois veículos para criticar o material produzido pela contratada do jornal paulistano. As ponderações do analista, porém, não ficaram restritas ao conteúdo veiculado pela cartunista.

Na Veja.com, por exemplo, o colunista usou os seguintes termos para se referir à cartunista: “baranga na vida”, “baranga moral”, “falsa senhora”, “homem-mulher”, “fraude de gênero”, “fraude moral” e “farsante”. Os termos utilizados por Reinaldo Azevedo foram registrados pelo relator do processo na segunda instância. Em sua decisão, o relator Carlos Alberto Garbi afirmou que tais circunstâncias provam que houve – ao contrário das alegações das defesas do jornalista e dos veículos – ofensa à honra da chargista.

laerte - reinaldo azevedo - cahrge
Charge de Laerte Coutinho publicada na Folha em fevereiro de 2017

“A crítica feita pelos réus se dirigiu à pessoa da autora, suscitando questionamentos, inclusive, ao seu gênero. Deixou, portanto, de ser objetiva. Criticar não é ofender”, escreveu o relator do caso, que elogiou a decisão do juiz Sang Duk Kim, que havia decidiu pelo pagamento de indenização na primeira instância. No julgamento de agora, o magistrado teve seu voto acompanhado pelos outros dois desembargadores presentes: João Carlos Saletti e João Batista de Mello Paula Lima.

Carlos Alberto Garbi comentou, ainda, a linha adotada pelas defesas de Reinaldo Azevedo, Jovem Pan e Veja, de afirmar que a charge em si e o notório posicionamento político adotado por Laerte Coutinho permitiria críticas mais incisivas. “A conduta da autora, o seu comportamento, as suas ideias não autorizam a ninguém fazer uso da crítica, que é legítima, para ofender. Foi o que ocorreu no caso, visto que a matéria publicada se dirigiu mais à pessoa da autora do que propriamente à charge referida”, publicou o relator.

Redução do valor indenizatório?
O desembargador Carlos Alberto Garbi registrou que Reinaldo Azevedo, Jovem Pan e Veja discordaram da decisão de primeira instância e entraram com recurso para que a obrigação de indenizar a cartunista Laerte Coutinho fosse anulada. As três partes, porém, solicitaram, de modo alternativo, que ao menos houvesse redução do valor a ser pago a título de indenização à honra da cartunista. O pedido, contudo, foi negado e a quantia de R$ 100 mil foi mantida pelo Tribunal de Justiça de São Paulo.

Dinheiro será doado a movimento
Hoje contratado pela Rede TV e pela BandNews FM, o jornalista Reinaldo Azevedo, que também escreve semanalmente para a Folha de S. Paulo, não se pronunciou publicamente a respeito do parecer do Judiciário paulista. Laerte Coutinho, por sua vez, usou o Facebook para agradecer aos três advogados que a defenderam: Ana Carolina Borges, Márcia Rocha e Paulo Iotti. Pela mesma rede social, Iotti avisou que a quantia a ser recebida como indenização será integralmente doada ao Movimento Mães pela Diversidade.

Íntegra da decisão
Primeiro veículo de comunicação a informar a decisão tomada pelo TJSP, o site Consultor Jurídico (Conjur) divulgou a íntegra da decisão do caso envolvendo Laerte Coutinho e Reinaldo Azevedo. Para ler o documento, basta clicar aqui.