Globo é processada por ausência de atores negros em Segundo Sol

A União de Negros pela Igualdade (Unegro) iniciou o processo com o objetivo de inserir representatividade na TV

Divulgação/Globo
DIVULGAÇÃO/GLOBO

 

Com a má repercussão acerca do elenco majoritariamente branco de Segundo Sol, novela das 21hs da TV Globo, uma ação judicial foi iniciada a fim de mexer na trama de João Emanuel Carneiro. A novela se passa em cenário baiano, onde 76% da população é autodeclarada preta ou parda.

De acordo com a Veja, a iniciativa do processo contra a emissora carioca partiu da União de Negros pela Igualdade (Unegro). A entidade atua há 30 anos contra discriminação racial e exige a participação de negros na televisão.

Homem é preso com maconha oculta junto ao corpo durante fiscalização na Operação Muralha

         Na tarde desta quarta-feira (23), na barreira de fiscalização instalada ao lado da praça de pedágio em São Miguel do Iguaçu/PR, durante abordagem no âmbito da Operação Muralha, ação conjunta de servidores da Receita Federal com policiais do BPFron resultou na apreensão de um homem com maconha oculta junto ao corpo.
A ação ocorreu por volta das 16h, quando foi abordado um ônibus de turismo, que fazia a linha Foz do Iguaçu/PR – Porto Alegre/RS. Inicialmente foi feita uma vistoria no bagageiro e também no interior do veículo. Durante a fiscalização, um passageiro de 44 anos levantou suspeita por apresentar sinais expressivos de nervosismo. Na sequência, ao iniciar inspeção detalhada no indivíduo, foram encontrados dois tabletes de substância análoga a maconha, ocultos junto ao corpo, acima da cintura.
O homem informou ser morador de Capanema/PR e ter pego a droga em Foz do Iguaçu, contudo não deu informações sobre o destino que seria dado a ela. O entorpecente totalizou aproximadamente 1,2 kg. Ele foi encaminhado para Delegacia de Polícia Civil de São Miguel do Iguaçu para procedimentos legais cabíveis.

CUMPRIMENTO DE MANDADO JUDICIAL RESULTA EM DOIS MORTOS
Na manhã desta quarta (23) dois policiais civis foram alvos de disparos quando cumpriam mandado de prisão em uma residencia no Bubas (grande Porto Meira). Dois irmão que estavam na residencia morreram na troca de tiros. Um policial foi alvejado com um tiro na virilha, mas encontra-se fora de perigo. Outro suspeito foi baleado, depois de medicado foi removido a carceragem da 6ª SDP.

Infraero alerta que aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e os de Recife, Palmas, Maceió e Aracaju só têm combustível para esta quarta-feira

Trecho de relatório da Infraero sobre falta de combustível (Foto: Reprodução/G1)

Trecho de relatório da Infraero sobre falta de combustível (Foto: Reprodução/G1)

Um relatório da Infraero de 11h09 aponta que os aeroportos de Congonhas, em São Paulo, e os de Palmas (Tocantins), Recife (Pernambuco), Maceió (Alagoas) e Aracaju (Sergipe) têm combustível suficiente para abastecer as aeronaves até esta quarta-feira (23), em razão da greve de caminhoneiros e do bloqueio às distribuidoras.

Congonhas é um dos três aeroportos mais movimentados do país. É nele que fica a rota de maior circulação de passageiros do Brasil, a ponte aérea Rio-São Paulo.

Outros sete aeroportos têm combustível para um ou no máximo dois dias (Santos Dumont-RJ, Goiânia-GO, Teresina-PI, Campo Grande-MS, Ilhéus-BA, Foz do Iguaçu-PR e Londrina-PR).

O alerta foi dado pelo Núcleo de Acompanhamento e Gestão Operacional (Nago), no “relatório de monitoramento da mobilização dos caminhoneiros”.

O relatório diz respeito apenas aos aeroportos administrados pela Infraero; os gerenciados por empresas privadas não entram na lista. Brasília, por exemplo, restringiu, também nesta quarta-feira (28), o recebimento de aeronaves com pouco combustível no terminal.

Pelo 3º dia seguido, nesta quarta-feira (23), caminhoneiros continuam protestando em rodovias federais e estaduais, além de vias importantes em 23 estados do país mais o Distrito Federal. Alguns atos ocorrem diante de refinarias, impedindo a saída de caminhões-tanque.

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) disse recomendar aos passageiros “com voos marcados para os próximos dias que consultem as empresas aéreas antes de se deslocarem para os aeroportos até que a situação se normalize”. A Abear, associação que representa companhias aéreas, não se manifestou.

Em nota, a Infraero informou estar “monitorando o abastecimento de querosene de aviação por parte dos fornecedores que atuam nos terminais e já alertou aos operadores de aeronaves que avaliem seus planejamentos de voos para que cada um possa definir sua melhor estratégia de abastecimento de acordo com o estoque disponível na origem e destino do voo”.

Pelo 3º dia seguido, caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias de Goiás em protesto contra alta do diesel (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Pelo 3º dia seguido, caminhoneiros mantêm bloqueios em rodovias de Goiás em protesto contra alta do diesel (Foto: TV Anhanguera/Reprodução)

Têm combustível apenas até esta quarta-feira – 5 aeroportos:

  • Congonhas (SP) – “As carretas da BR Distribuidora foram bloqueadas e não conseguiram chegar no aeroporto. A Shell conseguiu trazer 4 das 10 carretas previstas”
  • Recife (PE) – “Chegaram quatro carretas do Rio Grande do Norte e, com contingência aplicada pelas companhias aéreas, temos estoque até as 18h de hoje [quarta]”
  • Aracaju (SE) – “Querosene suficiente até esta quarta e gasolina até quinta. Há caminhões parados em Feira de Santana/BA, distante 300 km de Aracaju, ou quatro horas)”;
  • Palmas (TO) – “Caminhão da BR parado em Gurupi-TO. Previsão de estoque até meio-dia. O da Shell está parado em Paulínia-SP”;
  • Maceió (AL) – Shell tem estoque apenas para hoje. BR tem estoque para dois dias. Solicitado apoio da Polícia Rodoviária Federal para liberar caminhão preso em barreira”.

Combustível para mais um dia ou dois – 7 aeroportos

  • Santos Dumont (RJ) – Tem combustível para mais um dia, até 24/5;
  • Goiânia (GO) – “Combustível atende a aviação até o dia 24”;
  • Teresina (PI) – “Autonomia até 25/5”;
  • Campo Grande (MS) – “Estoque até sexta 25/5”;
  • Ilhéus (BA) – “Em função das carretas não conseguire passar no bloqueio em Cruz das Almas, caso não chegue até amanhã às 08:30, o abastecimento do aeroporto estará comprometido”;
  • Foz do Iguaçu (PR)– Mesmo usando todo o estoque da BR, teremos combustível somente até amanhã”;
  • Londrina (PR) – “Combustível (…) para hoje e amanhã. Previsão de reposição de estoque para amanhã”.

Combustível suficiente para três dias ou mais –

  • Joinville (SC);
  • São Luís (MA);
  • Navegantes (SC);
  • Manaus (AM);
  • Uberaba (MG)
  • Uruguaiana (RS);
  • João Pessoa (PB);
  • Uberlândia (MG);
  • São José dos Campos (SP);
  • Paulo Afonso (BA);
  • Santarém (PA);
  • Juazeiro do Norte (CE).

Leia a íntegra da nota da Infraero

A Infraero está monitorando o abastecimento de querosene de aviação por parte dos fornecedores que atuam nos terminais e já alertou aos operadores de aeronaves que avaliem seus planejamentos de voos para que cada um possa definir sua melhor estratégia de abastecimento de acordo com o estoque disponível na origem e destino do voo.

Ao mesmo tempo, a Infraero está em contato com órgãos públicos relacionados ao setor aéreo para garantir a chegada dos caminhões com combustível de aviação aos aeroportos administrados pela empresa.

Sobre o relatório mencionado pela reportagem, trata-se de um levantamento diário da Infraero e que ajuda a empresa a monitorar a situação do fornecimento de querosene de aviação pelas fornecedoras, além de auxiliar na proposta de ação por parte do Poder Público no sentido de garantir o abastecimento das aeronaves.

Aos passageiros, a Infraero recomenda que procurem suas companhias para consultar a situação de seus voos. Aos operadores de aeronaves, a empresa orienta que façam a consulta sobre a disponibilidade de combustível na origem e no destino do voo programado.

A Infraero compreende o direito de manifestação, mas entende que os protestos devem ocorrer sem afetar o direito de ir e vir das pessoas, bem como a segurança das operações aeroportuárias.

Interdições nas rodovias federais (Foto: Alexandre Mauro/G1)Interdições nas rodovias federais (Foto: Alexandre Mauro/G1)

Interdições nas rodovias federais (Foto: Alexandre Mauro/G1)

Com G1

Moro determina prisão do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares

Delúbio Soares teve mandado de prisão expedido por Moro (Foto: Evaristo Sá/AFP)

Delúbio Soares teve mandado de prisão expedido por Moro (Foto: Evaristo Sá/AFP)

O juiz federal Sérgio Moro determinou nesta quarta-feira (23) a prisão do ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares, condenado por lavagem de dinheiro em um processo da Operação Lava Jato, em 2017.

A defesa de Delúbio teve o último recurso negado em segunda instância nesta quarta pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4). O G1 tenta contato com os defensores.

Os advogados apelaram com embargos de declaração depois que Delúbio teve a condenação confirmada e a pena aumentada de cinco para seis anos pelos desembargadores do tribunal, em Porto Alegre, em março deste ano.

Essa ação penal é um desdobramento do processo que condenou o pecuarista José Carlos Bumlai e dirigentes do Banco Schahin, por empréstimo fraudulento de R$ 12 milhões concedidos pelo Banco Schahin a Bumlai.

Conforme os desembargadores, metade do valor foi repassada para a empresa Betin e a outra parte, para a Remar Agenciamento e Assessoria, que repassou quase tudo o que recebeu à empresa Expresso Nova Santo André, com o destinatário final sendo Ronan.

De acordo com a sentença, todas essas transações que envolvem os réus deste processo seriam fraudulentas e teriam por objetivo disfarçar o destino do dinheiro. Nos autos, não há investigação sobre a motivação do PT para entregar os valores a Ronan.

Porém, o Ministério Público Federal (MPF) levantou a hipótese de uma suposta extorsão praticada por Ronan contra o PT, o que não foi esclarecido e não era o foco da denúncia, relativa ao crime de lavagem de dinheiro.

Bolsonaro exibe ética flexível em ato de prefeitos

 

Jair Bolsonaro vai se revelando um presidenciável peculiar. As poucas ideias que tem não são boas. E algumas nem são dele. Quando discursa, o candidato passa a impressão de que apenas repete o que a plateia deseja ouvir. Nesta quarta-feira, falando para prefeitos, Bolsonaro defendeu a flexibilização dos rigores do Ministério Público no trato com gestores municipais em litígio com a lei.

Disse Bolsonaro: ”Temos de ter coragem de falar sobre o Ministério Público. Faz um bom trabalho? Em parte, sim. Mas tem seus problemas. Que prefeito não fica com medo ou preocupado respondendo por improbidade administrativa? Temos de mudar isso.”

Como assim? ”Não é dizer que não vai ter mais fiscalização, não é isso. Mas temos de ser prefeitos, governadores e presidente sem medo. Todos nós podemos errar. E não é do erro que vem acontecendo, vem uma lapada em cima da cabeça da gente.” Sem medo, chegou-se ao mensalão, punido com cadeia pelo STF. Com medo, produziu-se o petrolão. Mas Bolsonaro quer um Ministério Público “parceiro”. Pelo bem do “desenvolvimento do Brasil.”

Os repórteres estranharam a falta de nexo, pois Bolsonaro apresenta-se na campanha enrolado na bandeira do combate à corrupção. E o candidato: Não ”tem nada a ver uma coisa com outra. Tem que ter bom senso. Até um simples fiscal não pode chegar num estabelecimento e meter a mão na caneta. Orienta num primeiro momento. Quem nunca reclamou de uma multa de trânsito? Esta é a intenção. O combate à corrupção tem que continuar”.

Bolsonaro sentiu a necessidade de esmiuçar um pouco mais seu raciocínio. ”Por exemplo: quando fala de propriedade rural, está lá a emenda constitucional do trabalho escravo. Ninguém é a favor de trabalho escravo. Tem gente do Ministério Público, do Judiciário, que entende que o trabalho análogo à escravidão também é escravo. Tem que botar um ponto final nisso. Análogo é uma coisa e escravo é outra.”

Quer dizer: a pretexto de justificar um absurdo —o malfeito de prefeitos sem punição— Bolsonaro desmereceu o trabalho de fiscais fazendários, estimulou a rebelião contra inspetores de trânsito e revelou-se condescendente com a exploração de mão de obra no campo. Fez tudo isso num instante em que negocia uma aliança com o PR de Valdemar Costa Neto, o ex-presidiário do mensalão.

Nesse ritmo, o ex-capitão vai acabar ensinando ao seu eleitorado que não se deve confundir um certo candidato com o candidato certo. Não é que o Bolsonaro seja a favor da corrupção. Ele apenas ostenta princípios éticos flexíveis. Natural. Acabar com a corrupção é a prioridade de quem ainda não chegou ao poder.

Com Josias de Souza.

GILMAR MENDES MANDA SOLTAR MAIS DOIS PRESOS NA OPERAÇÃO RIZOMA

HUDSON BRAGA E CARLOS MIRANDA ERAM SECRETÁRIO E OPERADOR DE CABRAL