Publicidade
Categorias
outros

ESPAÇO DO LEITOR

Boa noite Língua

Gostaria de solicitar que o senhor acompanhasse a questão da licitação da prefeitura Foz do Iguaçu para leitos de hotéis para atendimento em isolamento para pacientes do COVID-19.

A licitação foi publicada com diária de R$ 80,00 para apartamento individual incluindo café da manhã, almoço, lanche da tarde e janta e ainda precisa ser fornecido 1,5 litros de água mineral Por dia ao hóspede além de algumas exigências sanitárias.

Os custos básicos são:

* Aproximadamente R$ 10,00 por refeição totalizando R$ 40,00
* Imposto sobre a emissão de nota fiscal aproximadamente 15% totalizando R$ 12,00
* 1,5 litros de água mineral por dia – R$ 2,50

Valor da diária R$ 80,00
Despesas com alimentação – R$ 40,00
Despesas com impostos – R$ 12,00
Despesas água mineral – R$ 2,50

Sobram R$ 25,50 para o hotel arcar com os seguintes custos:

* Energia elétrica
* Água
* Funcionários
* Manutenção e higienização dos apartamentos
* Lavanderia
* Custo operacional do empreendimento

A conta não fecha.

Sugiro que seja investigado caso exista algum interessado nesta proposta ( o que é improvável ) que seja público qual empresa foi vencedora e se realmente vão emitir nota e receber os valores desta licitação com diárias de R$ 80,00 ou se vão fazer algum tipo de edição ou aditivo e depois elevarem os valores.

Esperamos que não exista nenhuma pegadinha ou maldade nesta licitação.

Por favor acompanhe por nós.

Categorias
outros

Concurso da PM barra candidatos com tatuagem à mostra e orelha com ‘deformidade’ por alargador

Concurso público prevê a contratação de 2,4 mil policiais e bombeiros militares — Foto: PM/Divulgação

Concurso público prevê a contratação de 2,4 mil policiais e bombeiros militares — Foto: PM/Divulgação

O edital de concurso público da Polícia Militar do Paraná (PMPR) prevê que candidatos que apresentarem deformidades na orelha pelo uso de alargador ou tiverem tatuagens visíveis mesmo com uniforme de treinamento sejam desclassificados.

A exigência fez com o que o Ministério Público do Paraná (MP-PR) expedisse uma recomendação administrativa solicitando que o edital seja corrigido, já que considera as medidas possivelmente inconstitucionais.

As inscrições para o concurso público foram abertas no dia 1º de abril e vão até o dia 4 de maio. O edital prevê a contratação de 2,4 mil policiais e bombeiros militares.

Ao todo, o MP-PR indicou quatro pontos do edital de concurso público que considerou irregulares, devendo ser corrigidos, sendo eles:

  • Tatuagens: o edital prevê que serão considerados inaptos candidatos com tatuagem em áreas visíveis que não esteja protegida pelo uniforme de treinamento físico e seja contrária à “estética militar”;
  • Deformidade nas orelhas: segundo o edital, serão desclassificados os candidatos que apresentarem deformidade na orelha pelo uso de alargador ou outros acessórios;
  • Uso de óculos e lente de contato: conforme o documento, o exame oftalmológico deve ser feito sem correção, podendo o candidato ser desclassificado se usar algum instrumento de correção de vista;
  • Vagas para pessoas com deficiência: de acordo com o edital, “pela natureza dos cargos”, não foram disponibilizadas vagas para pessoas com deficiência.
O Ministério Público do Paraná (MP-PR) quer que recomendações sejam acatadas em até 30 dias — Foto: Reprodução/RPC

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) quer que recomendações sejam acatadas em até 30 dias — Foto: Reprodução/RPC

Recomendação

De acordo com o MP-PR, a recomendação foi expedida após denúncias feitas para a Promotoria de Justiça de Direitos Constitucionais de Curitiba.

Sobre as tatuagens, alargadores e o uso de óculos ou lentes, o órgão considerou as medidas impostas pelo edital desproporcionais, pois não impedem o exercício da profissão.

O MP-PR pediu ainda para que a PMPR reserve 5% das vagas do edital para pessoas com deficiência, seguindo os critérios do Estatuto da Pessoa com Deficiência do Estado do Paraná.

Apesar da recomendação não ser obrigatória, o MP-PR disse que poderá entrar na Justiça caso a PMPR não faça as correções solicitadas dentro de 30 dias.

O que diz a PMPR

A Polícia Militar do Paraná disse que recebeu o documento, “que trata-se de uma orientação, e vai analisar”.

G1 também questionou ao Comando por quais motivos o edital trazia as exigências citadas pelo MP-PR como possivelmente inconstitucionais. A PMPR não enviou resposta quanto a essa pergunta.

Com G 1

Categorias
outros

Laboratório Municipal é habilitado pelo Lacen para fazer testes de Covid-19

Município tem agora dois laboratórios aptos para realizar os testes, com tempo médio de três horas para os resultados

O Laboratório Municipal, administrado pela Fundação Municipal de Saúde, está habilitado para fazer testes de Covid-19 em Foz do Iguaçu. A oficialização foi enviada hoje (29) pelo Laboratório Central do Estado (LACEN/PR), nove dias depois de o município obter o credenciamento.

Com a validação, será possível uma maior celeridade nos resultados e um melhor diagnostico sobre a situação do município frente a pandemia. O Laboratório de Biologia Molecular do Hospital Municipal em parceria com a Unila (Universidade Federal da Integração Latino Americana) terá a capacidade para a testagem de 200 pacientes por dia, numa instituição 100% SUS. O tempo estipulado para o resultado é de três horas.

“Essa é mais uma conquista do nosso Hospital Municipal, do Laboratório, em parceria com a Unila, que cedeu os equipamentos e nos ajudou na compra dos 28 mil testes. Nessa união de esforços, vamos criando em Foz uma estrutura diferente de qualquer outra cidade do Paraná, com dois laboratórios habilitados (Municipal e HMCC). Desta forma, teremos respostas rápidas que possibilitam um melhor monitoramento da doença”, comentou o prefeito Chico Brasleiro.

Testes
Foram investidos aproximadamente R$ 900 mil reais na aquisição de 28 mil kits para exames da Covid-19, sendo 84% deste valor assumido pela Prefeitura, por meio da Fundação Municipal de Saúde, e 16% pela Unila.

“A parceria da Unila e Hospital Municipal foi essencial para que conseguíssemos implantar e realizar os teste de RT-PCR .Por meio dos professores e pesquisadores tivemos acesso à fornecedores de credibilidade, que além de disponibilizarem os melhores insumos e reagentes, conseguiram um prazo de entrega que atendia o nosso planejamento”, destaca Rafael Santos, gerente e responsável técnico do Laboratório Municipal.

“Com essa celeridade no diagnóstico dos exames é possível, por exemplo, tomar decisões em tempo propicio, que venham mitigar os efeitos da pandemia em nosso município e na 9ª Regional de saúde”, enfatizou o  diretor-presidente do Hospital Municipal, Sergio Fabriz.

Para a Unila, esta conquista cumpre  com seu compromisso enquanto  Universidade Federal, de auxiliar o município com seu Know-how tecnológico e cientifico , no enfrentamento a COVID-19. “Mais uma vez entendemos que a consolidação desta habilitação reforça a importância da atuação interinstitucional, onde diferentes atores somam forças, e quem ganha é a sociedade” destaca o professor Gleisson Alisson Pereira de Brito, Reitor da Unila.

Na segunda-feira (27) o Lacen também emitiu a habilitação para que o Hospital Ministro Costa Cavalcanti possa realizar os testes. Caberá à 9ª Regional definir o fluxo de envio das amostras dos casos. Elas poderão ser mandadas para o Lacen ou diretamente para o Costa, com possibilidade de se conseguir o resultado do diagnóstico mais rápido.

Categorias
outros

Gestores que afrouxarem distanciamento social sem sistema de saúde preparado para pico da pandemia podem responder por improbidade, aponta PFDC

Órgão do MPF alerta que cidades que decidirem adotar a medida deverão assegurar respiradores, EPIs, testes e leitos de UTI para absorver demanda da Covid-19

banner com fundo cinza claro e a expressão Nota Pública

Os gestores de estados e municípios de todo o país que decidirem flexibilizar medidas de distanciamento social deverão assegurar a oferta de um sistema de saúde com disponibilidade suficiente de respiradores, equipamentos de proteção individual, testes laboratoriais, além de leitos de UTI e internação, capazes de absorver o eventual impacto do aumento de número de casos de Covid-19 motivados pela redução dos esforços de supressão de contato social.

Leia mais 

Categorias
outros

Justiça condena dois vereadores de Guarapuava e outras quatro pessoas por favorecimento de pacientes na fila do SUS, diz MP

Justiça condena vereadores por favorecimento de usuários na fila de especialidades do SUS

A 2ª Vara Criminal de Guarapuava, na região central do Paraná, condenou dois vereadores da cidade e outras quatro pessoas que foram acusadas de favorecer pacientes na fila do Sistema Único de Saúde (SUS). A condenação foi divulgada pela Ministério Público do Paraná (MP-PR) nesta quarta-feira (29).

Segundo a decisão, os condenados na ação foram:

  • Celso Costa (Cidadania): o vereador foi condenado a nove anos de reclusão no regime fechado;
  • Márcio Carneiro (Cidadania): o vereador foi condenado a cinco anos e três meses de reclusão no regime inicial semiaberto;
  • Márcia Andreia de Brito: ex-diretora do Consórcio Intermunicipal de Saúde de Guarapuava, Pinhão e Turvo (Cisgap), condenada a 18 anos de reclusão.

A Justiça condenou ainda três assessores dos vereadores, segundo o MP-PR. As penas variam entre quatro anos e quatro meses e cinco anos e 20 dias de reclusão e regime inicial semiaberto.

Segundo o MP-PR, os vereadores e assessores usavam a influência dos cargos para furar a fila de espera de consultas de especialidades médicas pelo SUS.

As investigações apontam que o esquema funcionava por meio da inserção de dados falsos no sistema que gerenciava as filas de consultas para favorecer alguns usuários, prejudicando outros pacientes.

De acordo com a denúncia, a ex-diretora do Cisgap participava e tinha conhecimento da ação.

Todos os condenados na ação podem recorrer da decisão em liberdade.

A condenação é resultado da Operação Fantasma II, deflagrada em março de 2016 na Câmara de Vereadores de Guarapuava.

As investigações foram conduzidas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco).

O que dizem os citados

O vereador Celso Costa disse que ficou surpreso com a decisão, está com a consciência tranquila, é inocente e que vai recorrer da decisão.

O vereador Mário Carneiro declarou que buscou atender uma vizinha, buscando informações no Cisgap sobre a demora em uma consulta. Ele também informou que vai provar a inocência e recorrer da decisão.

A defesa da ex-diretora do consórcio, Márcia de Brito, disse que não vai se manifestar sobre a condenação, mas informou que também irá recorrer.

Sentença foi proferida pela 2ª Vara Criminal de Guarapuava — Foto: Murilo Souza/RPC

Sentença foi proferida pela 2ª Vara Criminal de Guarapuava — Foto: Murilo Souza/RPC

Categorias
outros

Ex-governadora do Paraná Cida Borghetti testa positivo para coronavírus

Governadora do Paraná, Cida Borghetti (Progressistas), nesta segunda-feira (28) durante anúncio no Palácio Iguaçu, em Curitiba — Foto: RPC/Reprodução

Governadora do Paraná, Cida Borghetti (Progressistas), nesta segunda-feira (28) durante anúncio no Palácio Iguaçu, em Curitiba — Foto: RPC/Reprodução

A ex-governadora do Paraná Cida Borghetti (Progressistas) testou positivo para Covid-19. A informação foi confirmada em nota por ela na manhã desta quarta-feira (29).

Cida é casada com o ex-Ministro da Saúde e deputado federal Ricardo Barros (Progressistas), que teve o diagnóstico confirmado no sábado (25).

De acordo com a nota, a ex-governadora não tem sintomas da doença e fez o teste por causa do diagnóstico positivo de Barros.

De acordo com o boletim divulgado pela Secretaria Estadual da Saúde (Sesa) na terça-feira, o Paraná tem 1.271 casos confirmados e 77 mortes por coronavírus.

Cida afirmou que está cumprindo o isolamento recomendado em casa, em Curitiba.

A deputada estadual Maria Victória, filha da ex-governadora e do deputado federal Ricardo Barros, também realizou o teste que deu positivo. O marido e a bebê  do casal também foram infectados.  Silvio Barros, irmão do Ricardo, também pegou o vírus. Portanto são seis os infectados na família Barros.

Categorias
outros

OPINIÃO

Por Requião Filho, deputado estadual pelo MDB
No livro “A Arte da Guerra”, de Sun Tzu, um dos preferidos de qualquer líder político, ressalva-se que, caso exista falha dos soldados durante um conflito, a responsabilidade é toda do general, que não soube expressar suas ordens, avaliar as condições ou conduzir seus subordinados à vitória.

Ao longo dos séculos pudemos ver isso na prática, nas mais diversas situações. No Paraná, certamente uma das maiores batalhas dos últimos tempos tem sido esta, que vivemos na atualidade, contra o COVID-19, porém mais uma vez, está sendo terceirizada. Não é de hoje que enfrentamos crises complexas na segurança, na educação e agora também na saúde.

Muito embora esta seja muito maior do que todas as anteriores, pois de uma certa forma atinge a todos sem distinção de idade, função ou classe social, é impossível negar a comparação. Pelo menos ao longo dos últimos nove anos, a falta de uma gestão firme e confiável, tem tornado tudo mais difícil para a população paranaense.

O Governador Ratinho Jr., por exemplo, ao invés de assumir suas responsabilidades com o Estado, analisando de forma científica e técnica as necessidades dos paranaenses durante a pandemia, resolveu deixar de liderar e ceder às mais variadas pressões. Ora! Quem foi eleito pra governar deve fazê-lo com responsabilidade e sem medo, tomando as decisões necessárias para garantir o bem estar e a sobrevivência dos cidadãos. Mas aqui, não é bem o que acontece! E com ventos soprando ideias em diferentes direções, o Paraná parece um barquinho de papel solto no oceano, deixando a onda mais forte conduzi-lo por seu destino inesperado.

Enquanto o mundo determina que todos fiquem em casa, aqui no Paraná teremos, de acordo com as últimas manchetes nos jornais, o afrouxamento das medidas. Teremos, na contramão mundial, a determinação de abertura de locais de possíveis aglomerações. Tudo porque as decisões não estão sendo conduzidas conforme se deveria, movidas pela brevidade de soluções efêmeras e inseguras, ao invés de serem firmes, corajosas e protetivas à saúde humana.

Uma atitude que revela do líder uma grande falta de estrutura para suportar o peso das responsabilidades e, ao contrário do que orienta o clássico da literatura mencionado no início deste artigo, percebemos que o Governador prefere assim delegar todas as suas funções e decisões ao Secretário de Saúde. Ou seja, caso dê errado, o que provavelmente acontecerá, ele irá, também, terceirizar a culpa.

O Governador, hoje, está pela segunda vez em isolamento social em razão de suspeita de contaminação pelo coronavírus e parece que nada isso tudo o ensinou. Acontece que, este isolamento, quiçá, esconderijo, é o seu local preferido desde que começou a governar: aparece apenas quando existe uma câmera direcionada para si. É o governo dos likes, dos biscoitos, dos holofotes!