Categorias
outros

UM POUCO DA HISTÓRIA DO CLÃ LUCCAS

O relato abaixo  é da minha prima Lécia Lucas fazendeira e psicologa em Goiás. Lécia conta um tiquinho da saga dos Luccas…

Orgulho do meu avô Miguel Luccas. Na foto, ele e dois de seus irmãos, aí faltam tia Josefa Luccas, tio João Luccas e tio José Luccas. São os filhos dos clássicos encontros de europeus nos navios que traziam os imigrantes nos idos oitocentistas. Os pais deles, meus bisavós: ela, a italianinha Maria, de 23, que vinha com o pai e dois irmãos com os coraçõezinhos verdes de esperança de conhecer a nova terra; ele, o austríaco João, um pouquinho mais velho e em busca de um novo norte para sua vida de _ como supunha meu pai Miguel Lucas (mesmo nome do meu avô)_ um assustado judeu austríaco. Enfim, no balancê do navio, João e Maria acharam-se e acharam.

Meu tio avô, que tinha o mesmo nome do pai austríaco e olhos de mar, João Luccas, era um catalano adorável, foi meu contador de histórias familiares predileto e morreu aos 98 anos.
Certa vez, fui visitá-lo e ele me contou que sua avó materna também havia vindo ao Brasil, mas não quis ficar, foi a primeira a voltar para Itália. Contou que mais tarde, voltaram também os dois tios dele e o avô, deixando aqui sua mãe Maria, já casada e com o filhinho mais velho _ meu avô Miguel Luccas, o da foto. Disse-me que lá da Itália, por cartas, a mãe de Maria insistia para que a filha também voltasse e levasse o Miguelzinho para ser criado “aos moldes europeus”, ao que Maria respondera que não era comum, lá na cidade dela, na Itália, uma mulher voltar pra casa com um filho nos braços e sem o pai por perto. Do pai, o austríaco João, meu tio contava sempre que ele nunca conseguiu aprender perfeitamente o Português e quase ninguém entendia muito o que ele dizia, tão carregado era seu sotaque.

João e Maria riscaram chão em Catalão Goiás, e deles viemos nós, os Luquinhas todos. Viemos de um caso de amor de navio que durou muitas chuvas. Muitas águas.
Não é à toa que eu, cá, amo o mar com sua imensidão de registros, exatamente pelos segredos que tão bem ele sabe guardar. Eu me orgulho de minhas Luquices. (LL)

PITACO: Eu sou filho de José Luccas. E descobrimos que temos descendência judia. Que chique!

 

1 resposta em “UM POUCO DA HISTÓRIA DO CLÃ LUCCAS”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *