Categorias
outros

Conversa fiada

Ataque farsesco de Bolsonaro a urna eletrônica mal esconde temores de derrota

    • Folha de São Paulo

    O presidente Jair Bolsonaro

As correntes autoritárias e populistas que despontaram nos últimos anos rasgaram essa cartilha. Quando a derrota se insinua, ou se consuma, reagem com tentativas de desacreditar as instituições e as autoridades eleitorais com acusações infundadas sobre fraudes e conspiratas fabulosas.

O mestre Donald Trump —que como criança mimada esperneia contra uma derrota incontestável nos EUA— mostra o caminho, e seu discípulo o imita aqui no Brasil.

O mandatário aproveitou-se da lamentável falha do Tribunal Superior Eleitoral, que atrasou a divulgação dos resultados do pleito, para pregar o retorno ao voto impresso como forma de supostamente garantir a lisura do processo. Um minuto de atenção ao noticiário basta para acusar o sofisma.

O defeito em computadores do tribunal e a tentativa rechaçada de ataque hacker ao seu site não colocaram em xeque a confiabilidade da apuração dos votos. No primeiro caso, retardou-se a publicação de resultados; no segundo, evitou-se acesso a dados sigilosos.

Há que apurar os dois eventos, identificar e responsabilizar os delinquentes no segundo caso e agir para que os problemas não se repitam. Mas é preciso ter claro que em nenhuma hipótese conhecida a vontade do eleitor manifestada na cabine indevassável, alicerce da democracia, foi conspurcada.

A urna eletrônica brasileira não está conectada à internet e por isso não se presta a ataques remotos. Ao final do escrutínio, de cada uma delas se extrai um boletim impresso descritivo da votação, que pode ser conferido e auditado.

Auditorias e testes de vulnerabilidade são parte constante do processo e se incrementam a cada ciclo eleitoral. Em mais de duas décadas de uso maciço, nenhuma fraude foi comprovada no dispositivo.

O que preocupa Bolsonaro, obviamente, não são os aspectos técnicos do sistema de votação. Ele não se importa com a sustentação fática das asneiras que patrocina.

Dá curso à conversa fiada conspiratória porque enxerga nuvens carregadas no seu horizonte político. E sabe que, no Brasil como nos EUA, quem perde volta para casa.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *