Categorias
outros

Um país de m…

Por menos conservador que seja, jamais pensei em escrever palavrão na Folha

Entenda o “m…” do título como a primeira letra de maricas. “País de maricas”, disse o valente ex-capitão que queria explodir aqueduto no Rio de Janeiro e saiu pela porta dos fundos do glorioso Exército nacional como reles terrorista e sem levar a cabo, nem a sargento, o seu intento.

Tão valente que foi capaz um dia de dizer “I love you” para o derrotado presidente dos Estados Unidos e entrar em depressão, agora, por causa da surra de 7 milhões de votos de diferença na eleição americana. Ou de só não estuprar porque achou a moça feia. Na verdade, comanda governo de milicianos, que também começa com “m”.

Quantas vezes você não ouviu dizerem que um dia o PCC chegaria ao poder? Pois a milícia chegou antes.

Jamais seria, embora não seja conservador, capaz de escrever palavrões nesta Folha, apesar de saber que alguns deixaram de ser, até aquele que começa com “f”, que virou sinônimo de fogo ou de fora de série: o Bozo é fogo, é fora de série! Meninas falam é “f…”; até as netas!

Não, não escreveria nada que pudesse cheirar mal, agredir as narinas das raras leitoras e dos raros leitores. “M” de maricas, de milicianos, isto sim. Já o “p” é de pudor, ou de falta de pudor. Porque se trata de outro fenômeno nacional, a falta de pudor.

Ou você ainda não notou na imprensa, no rádio e na televisão, quanta gente jogou fora a biografia na defesa do chefão do país de “maricas$milicianos”?

Travestidos de, segundo eles mesmos, “democratas radicais”, defendem o fã do torturador Brilhante Ustra, chamam de metáfora a pólvora contra os EUA, babam ao ver o genocida chamá-los pelo nome, também fazem coro com ele ao não reconhecerem a vitória de Joe Biden e tornam impossível a escolha para o prêmio Cláudio Marques, o jornalista que chamava o DOI-Codi de Tutoia-Hilton nos tempos da ditadura.

Porque perderam o pudor, ou o pundonor, como diria minha mãe, que ficaria mais horrorizada com estes do que com o linguajar das bisnetas.

Nomes? Ora, e precisa? Além do mais está dito que nada escreveria que pudesse ofender o olfato de quem chegou até aqui.

A boa notícia é que parece estar acabando, não apenas este texto, mas a barbárie, o pesadelo. Sim, será difícil aguentar mais dois anos, se é que durará até 2022.

E, apesar de ele ter comemorado suicídio para “ganhar” do ex-aliado janota, nada indica que chegará a tanto.

Falta colhão para ser Getúlio Vargas.

Juca Kfouri

Jornalista, colunista da Folha e autor de ‘Confesso que Perdi’; é formado em ciências sociais pela USP

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *