Categorias
outros

Bibinho, ex-diretor da Alep, volta para a cadeia depois de mais de um ano em prisão domiciliar

Ex-diretor da Alep Abib Miguel, o Bibinho — Foto: Reprodução/RPC

O ex-diretor-geral da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) Abib Miguel, conhecido como Bibinho, voltou para a cadeia na tarde desta quarta-feira (25) depois que teve a prisão domiciliar revogada pela Segunda Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR).

Condenado a mais de 250 anos de prisão por lavagem de dinheiro, ele estava cumprindo a pena em casa desde março de 2020, quando começou a pandemia do novo coronavírus. Conforme o acórdão do TJ-PR, o ex-diretor já recebeu as duas doses da vacina contra a Covid.

Bibinho voltou a cumprir a prisão preventiva, que estava em vigor desde 2018, no Complexo Médico-Penal (CMP) de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. A defesa dele informou que não vai se manifestar sobre a conversão da prisão.

A condenação do ex-diretor decorre da Operação Argonautas, que é um desdobramento do caso dos Diários Secretos. As investigações apontam que foram desviados, entre 1997 e 2010, mais de R$ 216 milhões envolvendo a contratação de pelo menos 97 funcionários fantasmas pela Alep.

O caso veio à tona com a série de reportagens publicada pela RPC e pelo jornal Gazeta do Povo.

No acórdão, o juiz substituto Mauro Bley Pereira Junior, relator substituto do caso no TJ-PR, afirmou que a defesa de Bibinho, “de forma simplista, desamparada de qualquer informação médica” alegou que ele é portador de asma e rinite alérgica.

Segundo a decisão, não ficou configurada qualquer circunstância que atestasse um quadro de saúde com necessidade de cuidados especiais ou que não poderiam ser feitos no CMP.

“Com efeito, em nenhum momento restou demonstrada qualquer particularidade do caso concreto que justificasse a imprescindibilidade e excepcionalidade da concessão de prisão domiciliar para resguardar a saúde do reeducando”, afirmou o relator substituto.

Bibinho voltou a cumprir a prisão preventiva, que estava em vigor desde 2018, no Complexo Médico-Penal (CMP) de Pinhais — Foto: Reprodução/RPC

Bibinho voltou a cumprir a prisão preventiva, que estava em vigor desde 2018, no Complexo Médico-Penal (CMP) de Pinhais — Foto: Reprodução/RPC

Anulação de julgamento

Neste mês, a Primeira Câmara Criminal do TJ-PR anulou o julgamento que levou à condenação do ex-diretor-geral da Alep na Segunda Câmara Criminal.

Com a anulação, o caso será julgado novamente pelo órgão, que decidirá se mantém ou não a condenação de Bibinho de primeira instância, de 255 anos de prisão. O novo julgamento ainda não tem data definida.

Com G 1 PR

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *