Categorias
outros

Brasil, país de sexta categoria

Brasileiros nem conseguem se encaixar nos cinco níveis de regras para ingresso na Itália

O que Brasil, Sri Lanka, Bangladesh e Índia têm hoje em comum? São os países que integram a lista vermelha da Itália, onde há alto risco epidemiológico, e que possuem os viajantes mais indesejáveis do mundo. São cinco níveis de regras para ingresso no território italiano, e esses quatro não conseguem nem se encaixar nessas categorias; são alvos de medidas ainda mais restritivas

Enquanto Espanha, Alemanha e França já recebem turistas brasileiros vacinados, a Itália não só continua a rejeitá-los como impõe condições inegociáveis àqueles que têm permissão de ir e vir. O veto ao Brasil começou em janeiro, quando os voos foram suspensos devido ao surgimento da variante gama, a brasileira. Retomado em fevereiro, o tráfego aéreo só está autorizado para residentes ou exceções comprovadas, como família, trabalho e estudo.

A situação epidemiológica, porém, mudou. Se no fim de junho a incidência de novos casos diários por milhão de pessoas era, na média móvel, de 14 na Itália e de 363 no Brasil (26 vezes maior), esses números estão hoje bem mais próximos entre si, 107 e 126, respectivamente.

Quem desembarca ouve que a regra não tem a ver com a situação individual, mas com o lugar de proveniência. E o Brasil, realmente, tem o que mostrar: uma variante temida para chamar de sua e uma campanha vacinal que, apesar de acelerada, ainda tem baixa cobertura (27% de imunizados, diante de 60% na Itália).

Além de, na fonte disso tudo, o fator Bolsonaro, um presidente que desmancha a imagem do próprio país toda vez que abre a boca ou sai de casa (sem máscara).

Michele Oliveira

Jornalista, já trabalhou nas áreas de esporte, política, cidades e design

Michele Oliveira

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *