Categorias
outros

Offshore de Paulo Guedes representa um conflito duplo

Ministro protege patrimônio no exterior enquanto pede sacrifícios no Brasil

Agentes públicos devem afastar situações que afetem interesses particulares porque precisam evitar que suas decisões no poder fiquem sob suspeita. Guedes pode acreditar que o dólar nas alturas favorece a dinâmica atual da economia brasileira, mas a titularidade de depósitos no exterior faz com que o ministro protagonize um conflito duplo.

O primeiro diz respeito à valorização e à blindagem da conta da offshore que ele abriu cinco anos antes de chegar o governo Bolsonaro. Desde 2019, a alta do dólar fez com que o patrimônio da empresa subisse R$ 14 milhões em moeda nacional.

Nesse tempo, o ministro defendeu abertamente o câmbio mais alto e trabalhou contra medidas que poderiam taxar depósitos de brasileiros no exterior. Mesmo que a equipe econômica tenha dezenas de argumentos para defender essas posições, Guedes mergulhou num conflito de interesses milionário.

Um cidadão não deve ser obrigado a fazer um voto de pobreza ao assumir uma função pública. Mas há um conflito moral quando esse ministro diz não enxergar “problema nenhum” no dólar alto que forma seu patrimônio, enquanto a escalada do câmbio afeta os preços dos combustíveis, da comida e de outros custos de quem já é muito pobre.

Bruno Boghossian

Jornalista, foi repórter da Sucursal de Brasília. É mestre em ciência política pela Universidade Columbia (EUA).

Bruno Boghossian

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *